Rachel Sheherazade critica ação do Ministério Público contra o SBT: 'Descabida'

Do Purepeople A ação civil pública ajuizada pelo Ministério Público Federal   contra o SBT   ...


A ação civil pública ajuizada pelo Ministério Público Federal contra o SBT por causa do comentário feito por Rachel Sheherazade em fevereiro deste ano sobre o caso de um adolescente infrator preso a um poste no Rio de Janeiro deixou a âncora do "SBT Brasil" indignada. Em entrevista ao Purepeople, a jornalista classifica a medida judicial como "descabida" e "absurda".

Na ação, feita após uma denúncia da deputada federal Jandira Feghali (PCdoB/RJ), o MPF pede que o SBT exiba no telejornal uma retratação dos comentários de Rachel, esclarecendo que a postura de violência dos "justiceiros" contra o adolescente infrator não encontra legitimidade legal e constitui uma atividade criminosa ainda mais grave que os crimes de furto praticados pelo jovem agredido.

Se a ação for aceita pelo juiz, o SBT deverá pagar multa de R$ 500 mil por dia em caso de descumprimento e não exibição da retratação. A medida judicial ainda solicita que o SBT seja condenado a pagar R$ 532 mil de indenização por dano moral coletivo, calculada com base nos valores de inserção comercial praticados pelo canal de TV. Confira a entrevista com a âncora do "SBT Brasil":

Purepeople: O que achou da ação? Ainda esperava por ela?

Rachel Sheherazade: Achei a ação do MPF tão descabida quanto as representações movidas contra mim e o SBT por partidos políticos como PT, PSOL e PCdoB. Mas acho que o Ministério Público Federal tem todo direito de propor a ação que julgar necessária. Pode alegar o que achar conveniente em seu pedido, por mais absurdo que me pareça. Porém, a ação ainda precisa ser aceita por um juiz, pois a palavra final é sempre é do judiciário.

Purepeople: Acha que o período eleitoral incentivou de alguma forma a proposta da ação?

RS: Quero muito acreditar que não. Entendo que o MPF seja uma instituição autônoma e apartidária. Não serve a governos, mas à sociedade.

Purepeople: Eles pedem uma retratação no 'SBT Brasil'. Você se sentiria à vontade fazendo isso?

RS: Não. Falar algo por imposição e não por convicção é falso. E sou uma pessoa que prima pela verdade, mesmo as mais duras. Sinceramente, não saberia como defender algo em que não acredito. Mas, se houver uma decisão judicial, terei que cumpri-la como qualquer cidadão de bem.

Purepeople: Seus comentários só devem voltar após as eleições. Sente saudades de emiti-los no telejornal?

RS: Sim, e espero ansiosamente pela volta das opiniões. Tenho muito a falar!

*** 
#SintoniaFina #Política

Você pode gostar também

1 comentários

  1. Noutro post que vi o comentaria disse: É a ditadura! Concordo, e o que é ainda mais chocante, para mim, é saber que atualmente o Sistema Jurídico se vale de técnicas semelhantes aos dos “justiceiros” para perseguir, pressionar, manipular andamentos processuais e decisões judiciais (...) contra litigantes em processo judicial e/ou administrativo. Ontem o povo brasileiro convivia com as mazelas de um Sistema Jurídico paternalista, hoje tem seus direitos civis e humanos violados pelas “autoridades justiceiras” que assim agem para satisfação dos interesses econômicos e políticos de alguns. O respeito ao Direito e a dignidade da pessoa humana não passam de um discurso cínico da cúpula da OAB, MP e da magistratura brasileira. O Sistema Jurídico brasileiro é uma indústria de ato ilícito! A OAB atualmente é uma entidade de cultura escravista, apoia e/ou submete estagiários, jovens advogados e pequenos escritórios de advocacia a tratamento degradante, formação técnica precária e a trabalho em ambiente insalubre. Por representar o MPF, sua excelência Rodrigo Janot Monteiro de Barros e seus pares, incluindo apoiadores e/ou cumplices magistrados e advogados, é quem deveriam ser acionados numa Ação Civil e Penal Publicas, não por apologia... Suas excelências são covardes e hipócritas, talvez o quê na verdade pretendem com essa Ação é marketing gratuito para intimidar e coibir a concorrência. TENHO VERGONHA DO SISTEMA JURÍDICO BRASILEIRO!

    ResponderExcluir