36º Prêmio Vladimir Herzog de Anistia e Direitos Humanos realiza cerimônia no Tuca; guarabirense está entre os vencedores

Na última quarta-feira (29/10), ocorreu a Cerimônia de entrega do Prêmio Jornalístico Vladimir He...

Na última quarta-feira (29/10), ocorreu a Cerimônia de entrega do Prêmio Jornalístico Vladimir Herzog de Anistia e Direitos Humanos em São Paulo (SP). A solenidade começou às 20h, no Teatro da Pontifícia Universidade Católica (PUC), o Tuca. O guarabirense Hebert Araújo venceu na categoria Rádio.

Esta é a 36ª edição do Prêmio, que contabilizou 503 projetos inscritos em oito categorias, superando os 443 trabalhos do ano anterior. A iniciativa é organizada pelo Instituto Vladirmir Herzog, Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Estado de São Paulo, Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj) e Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji), entre outras entidades.

Os grandes homenageados da noite foram os jornalistas Rubens Paiva (in memoriam) e Sandra Passarinho. Paiva, que também atuou como deputado federal, teve a história de seu assassinato recontada com esforços da Comissão Nacional da Verdade. Ele foi indicado ao Prêmio Espeical por sua atuação na defesa da Democracia no Brasil. Passou por redações como os jornais O São Bento,Folha MackenzistaJornal de Debates e Última Hora.

Sandra Passarinho foi escolhida para receber o Prêmio Especial por suas contribuições ao telejornalismo brasileiro. Ela foi a primeira correspondente da Globo na Europa. Atualmente, segue na cobertura de fatos ligados a questões sociais e política.

Neste ano, a comissão organizadora decidiu conceder uma premiação diferenciada à reportagem especial "A Sentença – 35 Anos”, exibida na GloboNews, inscrita na categoria Reportagem de TV, produzida pelo jornalista Cláudio Renato e equipe. A produção conta a história da sentença prolatada pelo juiz Márcio José de Moraes, na qual a União é condenada pela tortura e morte do jornalista Vladimir Herzog. A reportagem recebeu a solenidade na categoria “Hors Concours” por se tratar da história que deu origem ao prêmio.

No dia 30 de setembro, foram anunciados, em audiência realizada na Câmara Municipal de São Paulo (SP), os vencedores do prêmio.

Conheça os vencedores:

- Artes: "Pátria Armada Brasil", de Robson Vilalba, jornal Gazeta do Povo. Menção honrosa: “Foi Errado, eu sei”, de Laerte, na Folha de S. Paulo.

- Fotografia: "De herói a Vilão” de Marcelo Carnaval, O Globo.

- Jornal: "Sangue Político", de Leonêncio Nossa, O Estado de S. Paulo. Menção honrosa: "Mapa da Ditadura em Brasília", de Ana Pompeu, Correio Brasiliense; e “As confissões do coronel Malhães”, Juliana Dal Piva, O Dia.

- Revista: "Jurados de Morte: o drama de mais de 2 mil autoexilados no próprio país", de Edson Sardinha, Congresso em Foco. Menção honrosa: "Envenenados”, Tiago Mali, Galileu.

- Rádio: "História de Flor", de Hebert Araújo, Rádio CBN de João Pessoa/PB. Menção honrosa: "Brasil-Haiti: 10 anos da missão de paz da ONU, de Michelle Trombelli, Rádio BandNews FM/SP.

- Documentário de TV: "Na Lei ou na Marra: 1964, um combate antes do golpe", de Tatiane Fontes, TV ALMG (Assembleia Legislativa de Minas Gerais). Menção Honrosa: "Pele Negra", de Bianca Vasconcellos, TV Brasil/EBC.

- Reportagem de TV: "Caso Amarildo”, Mônica Marques, TV Globo/RJ. Menção Honrosa: “Tortura na Fundação Casa”, Valmir Salaro, "Fantástico" (Globo).

- Internet: "Dias de tolerância”, Rosanne D´agostino, Portal G1. Menção honrosa: "Imigrantes em São Paulo", Fabiana Maranhão, UOL.

- Prêmio Hors Concours: “A sentença - 35 anos”, Cláudio Renato, GloboNews.

***

(Blog do Ikeda, com Portal Imprensa) #SintoniaFina

Você pode gostar também

0 comentários