Porque eu sigo @JorgePontual

Há empresas de comunicação que impõem regras e ‘limites de acessibilidade’ aos seus profissionais...

Há empresas de comunicação que impõem regras e ‘limites de acessibilidade’ aos seus profissionais, em relação ao público. Com isso, jornalistas ficam ‘inacessíveis’, principalmente aos seguidores nas redes sociais, por exemplo. Em alguns casos, porém, essa condição é até compreensível, pois se dá para preservar a imagem do profissional. Mas como toda regra tem exceção.

O jornalista Jorge Pontual é uma dessas exceções. De passagem por Nova York, nos Estados Unidos, como correspondente internacional da TV Globo, Pontual tem se mostrado um profissional bastante simples, acessível, sobretudo, aos seus seguidores no Twitter.

Com 182 mil seguidores no microblog, por três vezes, o correspondente da Globo respondeu tuites do jornalista guarabirense Eraldo Luis. Em um deles, Eraldo postou uma foto da Baia da Traição, que fica no litoral norte da Paraíba, e mencionou @JorgePontual, que, em menos de 10 minutos, deu RT e agradeceu a menção.

Conforme Eraldo Luis, JP já esteve na Baia da Traição e gostou do lugar. E em uma de suas postagens na rede social, inclusive, publicou uma foto da praia e disse que “a Baia da Traição é a praia mais bonita do mundo”. E esse post, claro (!), foi compartilhado na internet.

Essa disponibilidade de jornalistas como Jorge Pontual, em responder, em estar ‘acessível’ aos colegas e seguidores, por exemplo, chama atenção, pois nem todos agem assim: uma grande parte ou não tem como responder a todo mundo em virtude do número de seguidores ou, simplesmente, não tem interesse - prefere ficar ‘isolado’ no seu ‘infinito particular’, considerando ainda os 'limites' impostos pelas empresas de comunicação.

Jorge Pontual é uma grande exceção e merece destaque aqui no blog. Eis um dos motivos pelo qual também passei a segui-lo no Twitter. #SintoniaFina

Você pode gostar também

0 comentários