Diretor zera ponto de profissionais do Hospital Regional de Guarabira

A editoria do Caderno de Matérias tomou conhecimento de que a nova diretoria do Hospital Regional de Guarabira, na pessoa de Cleonaldo Frei...

A editoria do Caderno de Matérias tomou conhecimento de que a nova diretoria do Hospital Regional de Guarabira, na pessoa de Cleonaldo Freire, zerou o ponto de profissionais, simplesmente, por terem chegado minutos atrasados no serviço.

Eu não quero aqui justificar o atraso de ninguém – até porque defendo a pontualidade no trabalho -, mas, em sendo verdade, a diretoria agiu de forma autoritária, como se ninguém se atrasasse no serviço. Alguns médicos, por exemplo, se atrasam, não?

Eu entendo que antes de zerar o ponto de um trabalhador, o coordenador do setor – não a gerência – deve ouvir se o funcionário tem algum argumento que justifique o atraso. Se não tiver, porém, é cabível, primeiro, uma advertência verbal, conforme a lei.

Se o empregado faltar novamente, a coordenação pode comunicar à gerência, que decide se emite uma advertência por escrito e leva o caso ao Departamento de Recursos Humanos para as providências cabíveis no âmbito da administração pública.

Assim, então, se o diretor do HR realmente zerou o ponto de alguns profissionais, essa a atitude foi, no mínimo, arrogante, afinal, ninguém trabalha sozinho: existe uma hierarquia no hospital. Hierarquia que não está sendo respeitada, nem pela direção da casa.

No fim de tudo, quem sai prejudicado é você que precisa de atendimento médico. É o usuário que passa a ser atendido por alguém que está trabalhando desmotivado. E sem motivação o trabalho não rende, sobretudo num hospital onde se lida com vidas.

Com a palavra o diretor do Hospital Regional de Guarabira, Cleonaldo Freire - até onde eu sei, ele é um moço competente no que faz, principalmente em relação à saúde. Essa postura de chegar impondo aos seus subordinados, enfermeiros como ele, eu desconheço. #Política #Sociedade

Você pode gostar também

0 comentários