Pela primeira vez, Dilma não vai se pronunciar na TV no Dia do Trabalho

Por Felipe Matoso, do G1 Brasília O ministro da Secretaria de Comunicação Social, Edinho Silva, afirmou na segunda-feira (27) que a pre...

Por Felipe Matoso, do G1 Brasília

O ministro da Secretaria de Comunicação Social, Edinho Silva, afirmou na segunda-feira (27) que a presidente Dilma Rousseff – pela primeira vez desde que assumiu a Presidência da República, em 2011 – não fará pronunciamento em cadeia nacional de rádio e TV em 1º de maio, Dia do Trabalhador.

Dilma se manifestará por meio das redes sociais, informou o ministro, que nesta segunda participou com a presidente da reunião da coordenação política do governo, grupo formado pelos ministros mais próximos e que se reúne semanalmente para avaliar o cenário político e traçar estratégias.

“Nós optamos, por meio de uma decisão coletiva, de toda a coordenação política – coletiva e unânime –, que ela [Dilma] deveria valorizar as redes sociais e dialogar com a sociedade brasileira por meio das redes sociais”, disse Edinho Silva.

De acordo com o ministro, a presidente não precisa, necessariamente, convocar cadeia nacional de rádio e TV para se pronunciar sobre o 1º de Maio. Segundo Edinho Silva, a decisão é uma forma de "valorizar outros modais de comunicação".

"A presidenta vai dialogar com os trabalhadores, com a sociedade brasileira, pelas redes sociais. Em cadeia nacional [de rádio e TV], não. Será um diálogo por meio das redes sociais, porque, primeiro, é uma forma de valorizarmos outros modais de comunicação. Segundo, porque a presidenta não precisa, necessariamente, se manifestar apenas por meio das cadeias nacionais", completou.

Panelaço

O ministro negou que o objetivo da decisão seja evitar um novo panelaço, como o registrado em 8 de março, quando Dilma fez na TV pronunciamento pelo Dia Internacional da Mulher.

"Não é por isso. Penso que a presidenta vai continuar utilizando a televisão, vai continuar utilizando a cadeia nacional quando for necessário", afirmou Silva.

Na ocasião, o panelaço foi ouvido durante a fala da presidente em bairros de algumas das maiores cidades brasileiras, como São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Curitiba e Brasília.

Outros dois panelaços foram registrados desde então. O primeiro foi em 15 de março, enquanto os ministros José Eduardo Cardozo (Justiça) e Miguel Rossetto (Secretaria Geral) concediam entrevista coletiva para comentar as manifestações de rua que reuniram milhares de pessoas em todo o país. O segundo foi durante veiculação de reportagem do Jornal Nacional, no dia seguinte, quando a presidente afirmou que as manifestações mostravam que “valeu a pena” lutar pela democracia.

Dia do Trabalho

No ano passado, o pronunciamento de Dilma pelo Dia do Trabalho foi constestado pela oposição, que argumentou que a presidente, então pré-candidata à reeleição, usou o espaço em rede nacional para fazer propaganda eleitoral antecipada.

Em seu discurso, Dilma anunciou a correção de 4,5% da tabela do imposto de renda e reajuste de 10% dos benefícios do Bolsa Família de 36 milhões de pessoas. Em setembro, o Tribunal Superior Eleitoral aceitou representação do PSDB e multou Dima em R$ 25 mil. Em sua defesa, apresentada pela Advocacia-Geral da União, a presidente sustentou que não houve propaganda eleitoral uma vez que o discurso em comemoração do Dia do Trabalhador é "típico e tradicional" e ocorreu "em época distante das eleições".

Em 2013, Dilma disse no pronunciamento do Dia do Trabalho que governo não iria "descuidar nunca" do controle da inflação. A presidente disse ainda que continuaria “sua luta firme” pela redução de impostos e pela diminuição dos custos para produtores e consumidores, além de ter destacado o aumento no número de empregos durante o seu governo.

No pronunciamento de 2012, Dilma cobrou redução nas taxas de juros por parte dos bancos privados. Na ocasião, ela classificou como "inadmissível" que o Brasil, com um dos sistemas financeiros "mais sólidos e lucrativos", continuasse com taxas de juros entre as mais altas do mundo.

No seu primeiro ano de governo, em 2011, Dilma destacou na fala do Dia do Trabalho o crescimento no número de empregos e renda no Brasil e se comprometeu a continuar com a política de valorização do salário mínimo. A presidente lembrou ainda do lançamento do  Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec), lançado no dia anterior ao pronunciamento.

Reunião da coordenação

De acordo com Edinho Silva, a reunião da coordenação política desta segunda serviu para dar continuidade ao encontro do último sábado (25) no Palácio da Alvorada, no qual Dilma e ministros discutiram os programas prioritários de cada pasta e os investimentos que serão anunciados nas próximas semanas na área de infraestrutura.

Segundo o ministro, a expectativa é que o governo anuncie um plano de investimentos “em semanas”. Na avaliação de Edinho Silva, seria “prematuro” anunciar agora os valores previstos no pacote.

“Seria prematuro nós totalizarmos esses investimentos, porque a presidenta fez uma primeira reunião [no sábado], cada área apresentou aquilo que é prioridade e, portanto, a partir desta reunião, todos os ministérios estão trabalhando com determinação para que os projetos sejam detalhados. […] Seria prematuro falar em valores”, disse.

O ministro declarou também que Dilma demonstrou “preocupação” na reunião de sábado e pediu que as obras estruturantes, consideradas “prioritárias”, sejam detalhadas para não serem afetadas pelo corte no Orçamento que o governo deverá anunciar nas próximas semanas.

"Toda a preocupação do governo é para que haja manutenção dos direitos trabalhistas e o governo, inclusive quando debate ajustes, é para que as vitórias históricas sejam mantidas. Então, não há nenhuma possibilidade de o governo tomar medidas onde os direitos históricos e as vitórias históricas sejam lesados", acrescentou.

***

#Política

Você pode gostar também

0 comentários