Coerência tem nome

Parece que alguns políticos e lideranças de Guarabira (PB), sobretudo os ligados ao grupo “gi...



Parece que alguns políticos e lideranças de Guarabira (PB), sobretudo os ligados ao grupo “girassóis”, querem mesmo acabar com a imagem do ex-governador Roberto Paulino (PMDB), maior liderança política da região. O apelo contra o PMDB do município está sendo sistemático, nas ruas, em alguns veículos de comunicação e, principalmente, nas redes sociais. A militância ricardista está deixando claro que quer chegar ao poder local custe o que custar (!).

E na tentativa de confundir a opinião pública, setores da imprensa – talvez sob ingeRência do Governo do E$tado – têm plantado notícias, inclusive dado como certa uma nova aliança após rompimento entre o PMDB e o PSB, no brejo: dessa vez a aliança se dava entre Paulino e Toscano, antigos rivais políticos que se alternam no poder local por mais de 40 anos. Acontece que não existe hipótese de união entre eles. Roberto Paulino garante. Zenóbio também.

Enquanto os “girassóis” tentam enfraquecer o “vermelhão” plantando boatos na mídia e com a adesão de vereadores ligados a Roberto Paulino, por exemplo, o prefeito Zenóbio Toscano (PSDB) deve estar assistindo tudo, analisando a movimentação e aguardando para dar o ‘pulo do gato’(!). Se as eleições fossem hoje, no meu ponto de vista, a vitória não seria nem do grupo Paulino e muito menos do candidato do PSB: sem esforço, ZT permaneceria no poder.

Sem ter nada a oferecer no momento, Roberto avança com os poucos que lhe restam em seu grupo – é que ele foi 'abandonado' por aqueles a quem deu a mão. Ricardo Coutinho (PSB), por sua vez, está rodeado de “amigos”, podendo se valer da estrutura do Estado. Da mesma forma, Zenóbio – em relação à Prefeitura de Guarabira. Mas sem mandato, Paulino estará ‘desprovido’ nas próximas eleições: apenas com a força do discurso e da promessa ao seu dispor.

Apesar de tudo, dos ataques que a família Paulino vem sofrendo por parte de integrantes dos “girassóis” em Guarabira e dos intentos do grupo do governador contra militantes do PMDB local - ações que claramente têm deixado o ex-governador ‘irritado’ -, Roberto Paulino tem qualidades que políticos como Ricardo Coutinho e seus aliados talvez não tenham, embora valorizem quem tem: lealdade e honestidade. Em Guarabira, coerência tem nome.

Assim, então, se Roberto Paulino empenhou sua palavra, se ele garantiu que o PMDB vai lançar candidatura própria nas eleições de outubro do ano que vem, é porque vai mesmo. Independente da tentativa de desgaste e do “barulho” causado pela oposição e pela militância socialista, o partido terá candidato próprio em 2016 - para ganhar ou perder. Considere que das 10 últimas eleições municipais em Guarabira, o PMDB ganhou sete delas.

Eu quero concluir concordando que é legítima a tentativa de se criar uma nova força política na cidade. Há uma necessidade de mudança em Guarabira, de um novo nome que governe o município. Alguém que tenha estrutura, popularidade, coragem e vontade de trabalhar, que seja desvinculado ao que já existe. Que não seja ligado ao grupo “girassóis”, por exemplo, composto de dissidentes e oportunistas da política local. Por enquanto, não há nada de novo.

Assim, se for para dar chance a um bando de oportunistas, eu acho melhor deixar como está: que a disputa seja polarizada novamente entre Paulino e Toscano. E vai ser! Ricardo Coutinho não pôs ordem na casa, falou demais e perdeu a oportunidade de conquistar e manter políticos que ainda valorizam a amizade e a palavra empenhada, como Roberto, Fátima e Raniery. Esse tipo de político, realmente, está em extinção - como escreveu Lena Guimarães.

Que fique claro! Isso aqui não é matéria paga. O que o blog faz é dar espaço para quem está tendo o espaço cerceado na imprensa guarabirense. Assim como Zenóbio, o ex-governador Roberto Paulino sabe das posições da editoria do Caderno de Matérias e do trabalho que este blog tem feito, respeitando todos os lados, mas, sem deixar de fazer críticas construtivas aos governos. Se há espaço para os “girassóis”? Eles já tem demais na mídia em massa. #Política #Opinião

Você pode gostar também

0 comentários