O “taliban”, o padre e o advogado

Por Antonio Santos, do Fato a Fato Reunidos numa mesma cena, mas, atuando em filme com películas antagônicas, o ativista cultural Sever...

Por Antonio Santos, do Fato a Fato

Reunidos numa mesma cena, mas, atuando em filme com películas antagônicas, o ativista cultural Severino Tomaz, o popular “Raminho Taliban”, o Padre Adauto Tavares e o presidente da OAB-GBA, advogado Antonio Teotônio, mereceram, da imprensa audaciosa de Guarabira (aquela que não tem medo de noticiar os fatos), espaços de destaques, num conflito agressivo onde, por incrível que pareça, o vigário e o bacharel em Direito foram, expressamente, agredidos e quase vilipendiados em suas honras, tendo como via de acesso o WhatsApp, desta feita utilizado de modo criminoso e sorrateiro.

Mesmo sendo um instrumento novo da internet, que deveria ser manipulado para fins sociais, educativos e a propagação de ideias e ideais, o WhatsApp serviu desta feita a embalar o signo da agressão verbal (que também é crime e dos mais horrendos) contra cidadãos, cujos papéis na sociedade guarabirense têm sido o de impulsionar o evangelho e o de garantir o direito à cidadania da população.

Pois bem, com um celular as mãos (no manipular da boca e do ouvido) e utilizando-se do Zap Zap, o “Taliban” de Guarabira, que antes era afável à luta pelos direitos dos injustiçados, cometeu severa e inapelável injustiça contra o Padre Adauto Tavares (Pároco da Catedral de Nossa Senhora da Luz) e o advogado Antônio Teotônio, atual presidente da OAB local, classificando-os de escroto e bandido.

Severino Tomaz (Raminho Taliban), assessor direto do governador Ricardo Coutinho em Guarabira, ao tentar ajuda jurídica para o grupo cultural “Café Com Poeira”, usou instrumento verbal de agressão, cujo princípio e a filosofia da Cultura abominam em todos os aspectos.

Sabe-se que o “Café Com Poeira”, ao se apresentar todas as sextas-feiras na Praça Nossa Senhora da Luz, causava ou causa estremecimento de horário com determinada celebração religiosa, simplesmente pelo início e o fim da apresentação teatral. Mas tudo já estava sob o domínio de um acordo junto ao Ministério Público, instituição capaz o bastante de sedimentar a união das partes litigiosas.

Só por que o MP não acatou requerimento do advogado de defesa do “Café com Poeira”, seu defensor-mor (Raminho Taliban) preferiu, ao invés de continuar lutando no campo jurídico, desferir seus torpedos maliciosos e direcionar sua metralhadora panfletária contra as partes que lhes eram ou são antagônicas.

Os agressores, tanto o verbal quanto o físico, são incapazes de lutar no campo das ideias. Portanto, devem e têm de serem igualados a covardes. A esse respeito, não há como assemelhar tal ponto de vista ou assertiva a Raminho Taliban. Seu preparo ideológico e talvez o codinome de “Assessor do Governador” têm influenciado e muito na sua molécula de agir e pensar.

Se é condenável a agressão sofrida pelo advogado e o padre? Claro que sim. O modo como o Taliban classificou as duas autoridades, inclusive usando forma sorrateira (mesmo pensando estar falando apenas com o advogado de defesa do Café com Poeira pelo Zap Zap), é acima de tudo criminoso e, guardadas as devidas proporções da periculosidade do caso, merece também a parte agressora apresentar defesa. O meio jurídico diz: “ninguém é culpado antes de condenado totalmente”.

Falta saber, quando as três partes estiveram às “barras da justiça”, quem triunfará e merecerá o aplauso da plateia a assistir tal filme. Por enquanto, o acinte veio da parte Taliban, antes acostumada a conclamar e lutar pelo direito dos injustiçados, agora cometendo injustiças contra quem só faz o bem.

E estando assessor do governador da Paraíba na cidade de Guarabira, mesmo assim não houve sequer uma palavra oficial do Palácio da Redenção na defesa de Raminho Taliban. Pelo contrário, num comportamento de total repulsa ao seu proclamar agressivo, os vereadores-girassóis, com os votos de outros parlamentares guarabirense, aprovaram Moção de Solidariedade ao padre e ao advogado.

E diante de tais fatos, para finalizar, há uma reflexão a se produzir textualmente: “quando Deus semeou o mundo com a semente da inteligência, o homem de paz serena consigo mesmo a absorveu plenamente, passando-a de gerações a gerações. Infelizmente, aquele cuja mente vive em constante tribulação social e ideológica alcançar o valor da honra de seus semelhantes”.

Tendo dito...
***

#Política #Opinião 

Você pode gostar também

0 comentários