Em nome da coerência

Foto: Imagem da internet A semana começou. E durante a reunião da cúpula do PMDB da Paraíba, ne...

Foto: Imagem da internet
A semana começou. E durante a reunião da cúpula do PMDB da Paraíba, nesta segunda-feira (29) na capital João Pessoa (PB), o senador José Maranhão deu uma declaração que não agradou todo mundo no partido - pelo menos aquele que representa o que ainda resta de coerente no PMDB paraibano: Roberto Paulino.

“Não tenho preconceito. Acho que o PMDB pode se coligar a qualquer partido registrado no país. A disputa é política não é pessoal. E podemos nos coligar com qualquer partido, como já aconteceu no Estado”, disse Maranhão, presidente estadual do partido.

Para justificar sua fala, o líder peemedebista explicou que na democracia os partidos não são ideológicos e afirmou não existir dispositivo no estatuto da legenda que possibilite aliança política, apenas, com partidos que pensem igual ao PMDB.

"Todo mundo se coliga com todo mundo. Na democracia, os partidos políticos não são ideológicos, eles são programáticos e não existe nenhum dispositivo no estatuto do PMDB que torne cláusula pétrea a aliança apenas com partidos que pensam como o PMDB”, concluiu.

Após ouvir a proposta de Maranhão, o ex-governador Roberto Paulino, liderança história do PMDB, logo divergiu do pensamento de seu comandante. Paulino não quer nada com o PSDB, principalmente em Guarabira.

“Essa tese eu não sou muito favorável. O PSDB não. Eu não tenho essa simpatia. O PMDB, como o maior partido da Paraíba, não pode ficar a reboque de nenhum partido”, afirmou.

Enquanto Maranhão admite a possibilidade de aliança com os tucanos nas eleições do próximo ano, Roberto Paulino diverge e deve se manter firme nessa posição. Tudo em nome da coerência. #Política

Você pode gostar também

0 comentários