Promotor lamenta “a violência e a insegurança que envergonham a Paraíba”

Do Blog do Helder Moura O promotor de Justiça, Marinho Mendes, publicou nas redes sociais um longo desabafo em relação à escalada de ...

Do Blog do Helder Moura

O promotor de Justiça, Marinho Mendes, publicou nas redes sociais um longo desabafo em relação à escalada de violência que atinge a Paraíba, tendo como parâmetro último o sequestro das duas mulheres e um bebê, em João Pessoa, seguindo de estupro, espancamento e morte (de uma delas). O caso ganhou intensa repercussão nacional, especialmente pelos requintes de crueldade.

Marinho lamenta que o Governo do Estado não tenha mostrado até o momento competência para reduzir a criminalidade. Trata-se, segundo ele, de uma “insegurança que envergonha a Paraíba”. Diz ainda: “Essa violência nos deixa cobertos de vergonha, por falta de uma política de segurança pública em nosso sublime torrão que não merece a pecha de paraíso da violência”.

Confira o desabafo na integra:

A família de Glória é de uma cidade da Bahia de nome Campo Formoso e pude verificar nos olhos de amigos e parentes (passamos o dia todo perambulando em hospitais e outras instituições) o desapontamento com a Paraíba. E, apesar de ser baiano, amo a Paraíba talvez mais do que o meu Estado e por isto a defendo muitas vezes com o próprio sentimento do coração do que com a própria razão, mas naquela hora agudamente doída, a única coisa que pude fazer foi chorar a imensa e irreparável dor com todos eles e concordar que verdadeiramente vivemos num pedacinho do Brasil, cuja insegurança e violência nos deixam cobertos de vergonha, por falta de uma política de segurança pública em nosso sublime torrão que  não merece a pecha de “paraíso da violência”.

É óbvio e mais do que cristalino que nunca foi pensada uma política pública de segurança, uma vez que se algo tivesse sido formatado nesse horizonte, as ações de segurança não permitiriam o genocídio de mulheres, de jovens e de outras minorias na capital e no Estado, o qual é hors concours em todas as estatísticas de violência no Brasil e no mundo.

Há muito tempo já verberamos aqui que a primeira providência que um gestor deveria executar seria uma pesquisa séria e bem trabalhada de quais tipos de ilícitos ocorrem mais em cada bairro e em cada cidade e de posse desses dados, formatar o projeto de segurança pública, uma vez que num bairro onde os delitos de maior incidência sejam homicídios, as ações de segurança devem ser diferentes de outro onde o maior número de infrações seja contra o patrimônio.

Se isto já tivesse ocorrido, mas para isto segurança teria que ser prioridade, sem proselitismo e publicidade enganosa, o Bairro dos Bancários já teria um monitoramento em todas as ruas, controlado de uma das salas da secretaria de segurança e sem dúvida alguma, teriam captado os dois suspeitos numa motocicleta desfilando tranquilamente pelas ruas do Conjunto dos Bancários, livres de qualquer abordagem, uma vez que a carência de pessoal obriga os marqueteiros do governo a orientar que viaturas desfilem nos logradouros com um ou dois policiais, e de forma antiética, dando uma fugaz sensibilidade de segurança ao cidadão mais desatento.

Assim, ficam os nossos sentimentos às famílias enlutadas, rogando a Deus que lhes proporcionem forças para superar o trauma e mais ainda, rogando a Deus em sua imensa bondade, que interfira, para que A INSEGURANÇA QUE ENVERGONHA A PARAÍBA, não oportunize a ocorrência de outras imolações, as quais deixam marcas traumáticas de forma perpétua em parentes e amigos e o pior, esses atos deixam a população aterrorizadas com o descaso que é a segurança em nosso Estado.”

***

#Política

Você pode gostar também

0 comentários