Vendedor desmotivado em porta de loja gera prejuízo para a empresa. Não corra esse risco, chefe!

Sinceramente. Tem tanta gente querendo trabalhar de verdade, enquanto muitos ocupam vagas no mercado sem dar conta do serviço para o qual f...

Sinceramente. Tem tanta gente querendo trabalhar de verdade, enquanto muitos ocupam vagas no mercado sem dar conta do serviço para o qual foram contratados. Isso me revolta, sabia? Falta preparo profissional, concentração e, sobretudo, interesse por parte de muitos vendedores no comércio de Guarabira (PB). Por consequência, isso resulta num péssimo atendimento e em poucas vendas nos mais variados setores da economia local.

Nesta manhã de quarta-feira (10), por exemplo, eu estive procurando um produto no comércio de Guarabira, em lojas de eletrodomésticos. Confesso que saí constrangido de algumas delas, pela falta de preparo de seus vendedores e atendentes. Na primeira que visitei, enquanto eu estava vendo e querendo saber mais sobre um determinado produto, o rapaz me atendeu, porém estava mais interessado em falar com outra pessoa no celular... Isso foi na #loja1.

Saí correndo para a concorrência. Parei e olhei o que estava exposto na vitrine. Ninguém veio me atender. Ao olhar para o interior da loja, então, uma moça me disse: “... já vai, moço!” isso foi na #loja2. Eu esperei e a moça realmente veio me atender. Ela foi gentil, mas eu esperava um pouco mais de atitude. Como a loja não dispunha do que eu queria, a atendente me pediu para voltar no final de semana.

Continuei a minha procura pelo mesmo produto em outra loja: na #loja3. De lá eu saí decepcionado. E sou cliente, viu! Quem me atendeu, sequer, olhou nos meus olhos. E enquanto eu ainda observava o produto, a pessoa simplesmente me deixou sozinho - talvez tenha pensado: esse rapaz não quer nada, apenas olhar. Detalhe: lá tinha o produto. Por um preço melhor, inclusive. Mas não comprei.

Após deixar a #lojas3, fui ver se encontrava o que queria no popular Armazém Paraíba, que diz ‘vender fiado’. Quando cheguei ao devido setor, inicialmente não vi diferença das outras lojas em relação ao atendimento: a pessoa da área estava ocupada conversando com outras pessoas. E não acredito que era sobre vendas. Mas, no mesmo instante, um rapaz fez sinal e se colocou à minha disposição: o tal Marcelo salvou o conceito que eu tinha sobre a loja.

Depois dessa, o Marcelo deveria ser promovido, pois me falou tudo o que eu queria saber sobre o produto, me mostrou opções e, sem me deixar a mercê de atendimento, ainda conseguiu dar atenção a outras pessoas rapidamente. Agradeci e continuei minha busca por achar o mesmo produto ou similar, mais barato. No Atacadão Rio do Peixe, onde fiz minha última tentativa, o atendimento superou o de todas as outras lojas, graças ao vendedor Geovane.

O vendedor Geovane também deveria ser promovido por ter ido além, no atendimento: mostrando opções, comparando valores, e me convencendo em relação a um produto similar. Assim, das cinco lojas que eu visitei na manhã de terça-feira, somente dois vendedores mostraram interesse no trabalho e aptidão para o serviço de atender e vender. Como não deu tempo visitar as demais lojas do mesmo segmento, elas estão isentas dessa crítica.

No original do meu texto eu cito os nomes e marco no Facebook de todas essas empresas as quais me referi para que seus diretores tomem ciência do fato. No entanto, vou poupá-las desse constrangimento público, evitando expor seus nomes aqui no blog. Mas faço questão de marcar e mostrar onde encontrei o devido atendimento. Espero, então, que daqui para frente o atendimento ao cliente melhore em alguns estabelecimentos do comércio de Guarabira. 

No comércio guarabirense o que se ouve é o lamento de comerciantes em relação a queda nas vendas nesse período. Embora a atual situação econômica do país - que não é boa - afete diretamente as vendas em vários setores, eu concluo meu desabafo alertando que manter um funcionário desmotivado na porta de uma loja, port exemplo, também pode gerar um grande prejuízo para a empresa. Que os chefes estejam atentos a isso para não correrem esse risco.

Por fim, se você é vendedor, está lendo esse post e se sente desmotivado ou sem interesse pelo trabalho, eu sugiro: peça pra sair! Dê a sua vaga a quem quer trabalhar de verdade. Agora se você reconhece que precisa de estímulo para continuar, eu recomendo uma palestra motivacional de Daniel Godri - talvez assim você compreenda que cliente nenhum entra numa loja para fazer favor. É você que tem a obrigação de atendê-lo. Fica a dica, gente linda! 
 #Sociedade

Você pode gostar também

1 comentários

  1. Não citar as lojas que segundo a sua avaliação não foram bem quanto ao atendimento, não ajuda no melhoramento das mesmas (ainda que pareça anti-ético falar o nome delas). Quanto a promoção de um vendedor por saber as funções de um produto; acredito que deva ser obrigação de cada vendedor saber o mínimo sobre os produtos dos quais ele é responsável. E lembrando que caso um consumidor não seja bem atendido ou não seja atendido ele pode fazer uma reclamação junto ao Procon.

    ResponderExcluir