Frio, cultura e descaso no mesmo caminho

É inverno. E o frio é uma sensação da região do brejo, sobretudo nesse período do ano. A temperat...

É inverno. E o frio é uma sensação da região do brejo, sobretudo nesse período do ano. A temperatura por aqui fica tão amena, mas tão amena, quanto à temperatura marcada no noroeste da Europa, por exemplo. O brejo paraibano é, então, uma região privilegiada. Privilegiada pela natureza que nos presenteia com trilhas, cachoeiras, sabores e paisagens únicas – e porque não dizer, inesquecíveis (!).

Mas além desse frio todo, das belezas naturais e sabores, o brejo é uma região rica em arte e cultura popular - que vai do artesanato à poesia, da música à dança de rua, por exemplo. O brejo tem tudo de bom. E isso merece ser divulgado e devidamente explorado para atrair visitantes e, principalmente, turistas. E uma vez desfrutando desse roteiro, dificilmente alguém deixará de voltar a percorrer esse mesmo caminho no frio do próximo ano.

Acontece que essa proposta de divulgar e explorar o que a região do brejo tem de melhor já existe. E está sendo posta em prática através da rota cultural “Caminhos do Frio”, em sete cidades: Areia, Pilões, Solânea, Serraria, Bananeiras, Alagoa Nova e Alagoa Grande. Guarabira, por enquanto, embora seja cidade polo, está fora desse projeto considerado o evento mais aconchegante da Paraíba, que já foi destaque internacional.

Apesar de tudo - do frio, da cultura, da divulgação e da realização da rota -, o Governo do Estado se omite em apoiar um evento como este que coloca o brejo em roteiros nacionais e internacionais, e gera renda nessa região da Paraíba. Sem o apoio do Executivo Estadual, a 10ª edição do “Caminhos do Frio”, que este ano está sendo bancada por prefeituras com apoio do Sebrae, o frio, a cultura e o descaso estão, literalmente, no mesmo caminho.

E o descaso do governador Ricardo Coutinho (PSB) para com a rota “Caminhos do Frio” também pode ser visto nas estradas do brejo. As condições de tráfego estão realmente difíceis. Há muito buraco. E a sinalização é precária. Quando chove, o trajeto fica ainda mais difícil. Se for à noite, piora. O que dizer de um governo que não investe na cultura do estado, nem na rota dos destinos culturais? Quem vai à Pilões, a cidade das flores, sabe muito bem disso. 

Enquanto a gente comenta e tenta, pelo menos, trazer o assunto para o debate, para a mídia oficial a regra é dizer nada: nada que venha comprometer a imagem desse governo. Essa realidade pode mudar, acredito. Eu, no entanto, não terei como reescrever este capítulo da história amanhã. É o que temos para hoje, infelizmente: frio, cultura e descaso no mesmo caminho. #Política #Cultura #Sociedade #Opinião 

Você pode gostar também

0 comentários