Se arrependimento matasse...

Não há como negar: José Agostinho de Almeida (Josa da Padaria) é um homem de bem. Um trabalhador. Alguém que também já foi mais coerente na...

Não há como negar: José Agostinho de Almeida (Josa da Padaria) é um homem de bem. Um trabalhador. Alguém que também já foi mais coerente na política. Embora suas contas referentes ao exercício de 2012 - de quando foi prefeito -, tenham sido reprovadas pelo Tribunal de Contas da Paraíba (TCE), Josa não tem do que se envergonhar como político em Guarabira (PB). Acredito, porém, que ele tenha do que se arrepender hoje.

Josa da Padaria trocou uma trajetória de 28 anos como filiado do PMDB - onde obteve 04 mandatos de vereador (sendo o mais votado em 2000), foi ainda presidente da Câmara por 02 vezes, vice-prefeito e prefeito - por mero prestígio, por uma promessa de ser candidato a prefeito e um salário de R$ 1.400 reais para gerenciar o Instituto de Desenvolvimento Estadual e Municipal na cidade de Guarabira - mesmo sem escritório no município.

Eu queria acreditar que o passe de Josa - que deixou o ex-governador Roberto Paulino para ser liderado por Célio Alves, assessor do governador Ricardo Coutinho (PSB) - tenha custado, apenas, R$ 1.400 reais. Não acredito. No entanto, acho que o enganaram quanto ao seu futuro político no grupo ricardista. Prometeram o que não podiam dar nesse momento. Passaram a perna no padeiro sem considerar seu histórico político e seus votos.

Diferente de outras lideranças de bairro que compõem o grupo “girassóis” de Guarabira, o ex-prefeito Josa da Padaria ainda tem voto. Ele já provou isso. E mesmo que não tenha alcançado voto suficiente para vencer as últimas eleições municipais, ele continua sendo a maior liderança do grupo de RC na cidade: uma liderança "sem prestígio, sem ‘trabalho’ e sem 'salário'". Não era o que Josa esperava, acredito. Que preço o ex-aliado de Paulino deve estar pagando agora...

Insatisfeito com essa situação, o padeiro desabafou que se um escritório do IDEME não for instalado em Guarabira, ele deixa o cargo: pois não faz sentido continuar nessa condição - afinal como justificaria ter recebido salário do Governo sem dar expediente? Sem alternativa que o valha em curto prazo, então, Josa da Padaria tem como opção continuar acreditando na construção de um novo projeto para Guarabira, no qual ele espera ter um espaço grande.

Em entrevista no rádio, Josa declarou também que não pretende voltar aos quadros do PMDB, mas adiantou que deixou as 'portas abertas'. Resta saber, entretanto, se o grupo do ex-governador Roberto Paulino, maior líder político da região, o aceitaria de volta e para qual posição ele voltaria a atuar pelo partido na política de Guarabira (?). São questões que só deverão ter respostas nos próximos capítulos dessa história 'de arrependimento'. 

Ao trocar sua história de sucesso e coerência política por uma ilusão, deixando seu partido de origem para se filiar ao PSB, por exemplo, o ex-prefeito de Guarabira apostou 'no risco'. Não tenho nada contra a legenda socialista. Só acho que esse não era o momento de Josa da Padaria tomar essa decisão que já lhe deve estar custando caro. Se arrependimento matasse... Acontece que agora é tarde para se arrepender. Boa sorte, Josa. Você vai precisar. #Política #Opinião

Você pode gostar também

0 comentários