Guarabira ganha memorial do cordel

Por mais que eu quisesse negar, a inauguração do Memorial do Cordel – José Camelo de Melo Resend...

Por mais que eu quisesse negar, a inauguração do Memorial do Cordel – José Camelo de Melo Resende na noite de sábado (01) em Guarabira (PB) foi um evento antológico. Quem foi viu e pode confirmar o que estou afirmando aqui sem nenhuma 'paixão política'.

Foi mais que uma simples inauguração. Foi um encontro de poetas repentistas e de gerações notáveis da poesia popular. No dia do Poeta da Literatura de Cordel, a trilha sonora em Guarabira foi a cantoria.
Além da “Jornada do verso na terra da Luz”, com a arte do improviso os mestres do repente também reverenciaram a cidade de Guarabira e seus poetas, entre eles o memorável José Camelo de Melo Resende. Chico Pedrosa e seu Ismael Freire também foram homenageados.

O evento realizado pela Prefeitura de Guarabira na noite de sábado, de fato, ajudou a contar, de forma breve, um pouco mais da história das tipografias e da produção de folhetos na ‘capital do brejo’. O público - de criança à idoso - prestigiou e aplaudiu.

Houve lançamento de livros e folhetos durante a abertura do museu. O cordelista guarabirense Paulo Gracino lançou o folheto “Guarabira e a memória do cordel”. E eu conheci e ganhei um cordel de Valdemar Guedes dos Santos, também poeta popular.

Agora eu estou ciente de que o cordel também conta estória e histórias que não estão impressas ou são contadas nos livros, e com uma linguagem própria, porém simples, preservando a cultura e entretendo gente de todas as idades. Viva a literatura de cordel! #Cultura #Política #Sociedade

Você pode gostar também

0 comentários