Dilma define corte de R$ 20 bi e resiste ao congelamento dos reajustes

Do Correio Braziliense Após uma série de reuniões ao longo do fim de semana, a presidente Dilma Rousseff definiu com a equipe econômica...

Do Correio Braziliense

Após uma série de reuniões ao longo do fim de semana, a presidente Dilma Rousseff definiu com a equipe econômica um corte de R$ 20 bilhões nos gastos públicos. Antes do anúncio oficial, as medidas para organizar o orçamento devem ser apresentadas nesta segunda-feira (14/09) aos presidentes da Câmara, Eduardo Cunha, e do Senado, Renan Calheiros, e ao vice-presidente Michel Temer. Além de enxugar as despesas, o governo apresentará uma proposta para melhorar a receita, que pode tomar a forma de novos impostos. O congelamento do reajuste dos salários dos servidores, defendido pelo Ministério do Planejamento, foi uma das propostas colocadas à mesa, mas a presidente Dilma resiste. A medida foi, por enquanto, descartada, de acordo com fontes.

As propostas são tomadas para suprir o rombo de R$ 30,5 bilhões previsto no Orçamento enviado ao Congresso. O esforço fiscal necessário para reequilibrar as contas chega a R$ 65 bilhões. Segundo um integrante do governo, a presidente pediu que programas sociais não sejam afetados. E a medida para a aumentar a receita será construída com os parlamentares. Integrantes da equipe econômica seguem estudando as proposições e ajustes ainda podem ocorrer. O governo chegou a ensaiar a volta da CPMF, o imposto do cheque, mas desistiu diante da reação negativa de empresários e parlamentares. Mas deve propor um imposto financeiro provisório para repartir as receitas com estados e municípios.

Nesta segunda-feira (14/9) pela manhã, Dilma se reunirá com os integrantes da coordenação política, no Palácio do Planalto. Depois, ministros da área econômica devem ir até o Congresso ou apresentarão as medidas por telefone aos presidentes das Casas e a Temer, que está em viagem a Rússia. O objetivo é conseguir apoio ao pacote. A decisão do tamanho do corte ocorreu após Dilma se reunir com ao menos 12 ministros durante o fim de semana. Ontem, a petista ficou mais de sete horas com ministros da Junta Orçamentária, composta pelo titular da Casa Civil, Aloizio Mercadante, da Fazenda, Joaquim Levy e do Planejamento, Nelson Barbosa.

Estiveram também com a presidente os ministros da Justiça, José Eduardo Cardozo; dos Transportes, Antônio Carlos Rodrigues; da Agricultura, Kátia Abreu; da Ciência e Tecnologia, Aldo Rebelo; da Previdência, Carlos Gabas; das Cidades, Gilberto Kassab; e das Comunicações, Ricardo Berzoini; do Esporte, Jorge Hilton; da Integração Nacional, Gilberto Occhi, além do assessor especial da Presidência, Giles Azevedo.

No fim de agosto, o governo anunciou que fará uma reforma administrativa, que prevê a eliminação de 10 Ministérios, corte de cargos comissionados, a revisão de contratos com a administração federal. O governo prometeu também buscar uma economia com a venda de imóveis e terrenos que pertencem à União. O objetivo é cortar “na carne” e assim também mostrar uma resposta à crise.
***

#Política

Você pode gostar também

0 comentários