Nova greve dos Correios: quem paga a conta?

Como não bastasse a situação em que o país se encontra, afundado em crise e corrupção, em que o ...

Como não bastasse a situação em que o país se encontra, afundado em crise e corrupção, em que o cidadão brasileiro é forçado a trabalhar duro para pagar mais e mais impostos, a Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos inicia uma nova greve. A sua greve anual.

A greve dos Correios, que já faz parte do calendário de greves do Brasil, deve piorar o serviço de entrega de correspondências e encomendas – que não estava bom -, principalmente faturas, fazendo com que o cliente corra o risco de também pagar encargos e juros por atraso.

Correios gastam R$ 42 milhões para mudar logomarca


A ECT tem o direito de decretar greve, eu sei - embora o Governo tenha anunciado cortar gastos e cancelado concursos em virtude da situação econômica do país. A categoria, porém, exige contratação imediata de carteiros e atendentes para suprir o déficit e atender a demanda.

Os trabalhadores dos Correios também reivindicam 12% de reposição da inflação, aumento real de R$ 300,00, mais vale alimentação no valor de R$ 40,00, vale cesta básica de R$ 350,00 entre outras exigências profissionais.

Como contraproposta, a ECT deu gratificação de R$ 150,00 de Incentivo a Produtividade, em agosto de 2015; e R$ 50,00 para janeiro de 2016 e um reajuste de 9,56% no vale alimentação e cesta básica. Mas não foi aceita.

Sem acordo, uma nova greve dos Correios foi deflagrada por tempo indeterminado.

Na Paraíba, a média é de 400 mil correspondências entregues por dia – cerca de 4 toneladas diárias em todo o Estado, conforme sindicato.

Com a greve, então, essas correspondências, novamente, não serão entregues no prazo estabelecido e muita gente - incluindo eu e você - vai ficar prejudicada.

Enquanto o salário base de um carteiro é de R$ 1.132,00, o do trabalhador comum não chega a R$ 800,00, mesmo assim é ele que paga a conta de uma greve como a dos Correios, por exemplo. #Sociedade

Você pode gostar também

0 comentários