“Seja você a mudança no trânsito”: falta respeito e amor pela vida

Capa do disco Abbey Road, dos Beatles . Local da capa do disco "Abbey Road" foi tombado...

Capa do disco Abbey Road, dos Beatles. Local da capa do disco "Abbey Road" foi tombado pelo governo

Seja você a mudança no trânsito”. Este é o tema da Semana Nacional de Trânsito 2015, que acontece de 18 a 27 de setembro na Paraíba, com a intenção de provocar condutores, ciclistas e pedestres a terem mais consciência de que para um trânsito seguro é indispensável que cada um faça a sua parte, respeitando a legislação específica e a sinalização.

A proposta é boa. Porém, não tem sido fácil “ser a mudança no trânsito”. Com a ausência dos poderes públicos, que não fazem o devido investimento em conservação de estradas e em sinalização, por exemplo, muita gente é desmotivada a fazer diferença. Entretanto, nada justifica um comportamento imprudente no trânsito. Nada.

É muito fácil cobrar do Estado ou do poder público local, sobretudo, por eles não terem estrutura para orientar e fiscalizar o condutor e o transeunte como convém. Mas o que você tem feito no trânsito de sua cidade lhe dá o direito de cobrar das autoridades e criticar alguém por algum transtorno causado à mobilidade urbana de seu município?

Como você está dirigindo - tem sido prudente fazendo a manutenção regular no seu carro ou moto, tem usado o cinto de segurança; você faz uso correto da sinalização, tem usado capacete e priorizado o pedestre na faixa? 

E você pedestre, faz uso da faixa de pedestres para atravessar ou prefere passar fora dela causando transtorno?

Quem avança o sinal, dirige sob efeito de álcool, anda na contramão ou estaciona em local proibido, por exemplo, está sendo corrupto. Pense nisso antes de dirigir.

Não adianta fazer campanha se você não for sensível e estiver disposto a colaborar com a ordem e pela ordem no trânsito, pelo menos, enquanto estiver no volante. Também é sua a responsabilidade de instruir seu filho a compreender as regras e a sinalização de trânsito, desde o uso consciente de uma faixa de pedestre ao uso “obrigatório” do cinto de segurança. 

A imprudência no trânsito faz com que os acidentes sejam a principal causa de morte de jovens no mundo. Nas Américas, por exemplo, os traumatismos provocados em acidentes de transito só matam menos que os homicídios. E são a segunda causa de morte entre jovens de 18 a 24 anos do Brasil, atrás apenas dos homicídios.

No geral, no ano 2009, o Brasil ocupava o lugar no ranking de acidentes de transporte terrestre na região do Mercosul. Até o final do primeiro semestre deste ano, o país estava na segunda colocação conforme o Ministério da Saúde. A taxa de mortalidade, que era de 18,3 mortes por cem mil habitantes, subiu para 22,5 mortes nesse grupo.

Apesar da má conservação de estradas e da formação deficiente de motoristas, muitas fatalidades que deixam marcas para o resto da vida ocorrem por excesso de velocidade e pelo não uso do equipamento de proteção como cinto de segurança e capacete. Falta educação e consciência nas pessoas: respeito no trânsito e mais amor pela vida. #Sociedade

Você pode gostar também

0 comentários