Fumaça tóxica em Guarabira

Foto: Belarmino Mariano Há dias a população de Guarabira (PB) vem sofrendo com uma fumaça tóx...

Foto: Belarmino Mariano

Há dias a população de Guarabira (PB) vem sofrendo com uma fumaça tóxica gerada pela química de material queimado no lixão. A maior incidência ocorre, principalmente, à noite, quando a nuvem escura encobre todo o céu do município.

A poluição do ar na ‘capital do brejo’ tem alcançado níveis insuportáveis de dia e de noite. E a população tem sentido isso. Devido essa fumaça tóxica, muitas pessoas estão adoecendo e outras sendo até internadas com problemas respiratórios, por exemplo.

A fumaça tóxica também gera problemas de saúde em longo prazo. Hoje, porém, quem mais sofre são aqueles que têm alergia a poeira e fumaça, que fazem tratamento com remédios caros, tendo, sobretudo, que evitar locais fechados ou abertos cujo ar esteja comprometido. 

O lixão não pode ficar assim, pois virou um problema de saúde pública. E as autoridades locais - incluindo o próprio Ministério Público - parecem desdenhar da situação. A poluição do ar é tão intensa na cidade que tem afetado até a visibilidade de quem trafega à noite.

Se eu, que moro no centro, me sinto prejudicado, imagine, então, quem trabalha no lixão ou reside em bairros como Mutirão, Clovis Bezerra, Santa Terezinha, Rosário e Bela Vista, por exemplo, que estão a um nível geográfico mais elevado na cidade.

A atual gestão tem sido omissa quanto ao que acontece no lixão de Guarabira - embora o prefeito Zenóbio Toscano (PSDB) tenha prometido que faria um aterro sanitário para acabar com este problema. O Ministério Público precisa intervir, urgentemente.

Por enquanto a situação é esta. E a conclusão que se faz é a pior possível: sem o aterro sanitário, o povo de Guarabira vai sofrendo pela negligência do poder público municipal, com a conivência do próprio MP que não tem reagido diante de um assunto de interesse público.

Espero que, com o soprar dos ventos e a fumaça tóxica se propagando no ar e sendo levada também para outros municípios, não cheguemos ao ponto de ter de usar máscaras: isso seria incoerente demais para uma gestão que diz ter compromisso com o futuro.

Se a PMG e o MP não estão fazendo caso da situação, pelo menos nós, da imprensa, estamos fazendo a nossa parte: denunciando. E se você também se sente prejudicado pela poluição do ar em nossa cidade, faça uso do rádio, expresse sua indignação e reforce essa denúncia. 

Conforme a Lei 12.305/10, o fim dos lixões deveria ter ocorrido até 02 de agosto de 2014, por determinação. Em Guarabira, no entanto, isso ainda não é realidade – tomara que seja até o fim desse governo. Não dá para continuara assim. O prefeito ZT sabe disso.#Sociedade #Política

Foto: Rudney Araújo

Você pode gostar também

3 comentários

  1. Não podemos nos calar diante dessa poluição devastadora de nossa saúde. O prefeito e secretaria responsável devem tomar as providencias sob pena de responderem por crime ambiental.

    ResponderExcluir
  2. A lei do PNRS (plano nacional de resíduos sólidos) estipulava que até 2012 todos os municípios deveriam ter seu aterro. Ou seja, a gestão passada, que já era obrigada a fazer, também não o fez. O tempo passa. Guarabira perde!

    ResponderExcluir
  3. As gestões politicas que administram Guarabira há décadas se revelam impotentes e incapazes de assumir, não terem interesses no assunto MEIO AMBIENTE. O lixão de um município fala por si só de como as administrações são incompetentes, Guarabira já teve usinas de reciclagem de lixo e compostagem para adubos, mas regrediu.
    AS desculpas não tem desculpas, tem incapacidade administrativa.

    ResponderExcluir