Sem cargos no Estado e na Prefeitura de Guarabira, militância do PMDB prestigia entrevista de Paulino

Do Fato a Fato Mesmo sem contracheque no Governo do Estado nem na Prefeitura de Guarabira, a ...

Do Fato a Fato

Mesmo sem contracheque no Governo do Estado nem na Prefeitura de Guarabira, a militância do PMDB, também denominada de “o vermelhão” prestigiou, no último domingo (15), entrevista concedida pelo ex-governador Roberto Paulino ao radialista Raelson Galdino, na Rádio Rural AM.

Num domingo, onde as pessoas tiram o dia para descansar, ir para a praia, viajar com a família ou praticar algum lazer, mesmo assim os amigos (militância vermelha) de Roberto Paulino foram prestigiá-lo mais uma vez, inclusive chegando a emissora antes do entrevistado, por volta das sete horas da manhã.
Quem também se fez presente, foi o pré-candidato a prefeito pelo PMDB, empresário Deda Claudino, que se fez acompanhar de vários integrantes do PMDB Jovem e do deputado estadual Raniery Paulino.

Após a entrevista, a militância fez questão de registar, numa foto em frente a Rádio Rural, o momento de união do grupo em torno do nome de Deda Claudino e o apoio de Raniery e de Roberto Paulino ao pré-candidato a prefeito pelo PMDB.

Durante a entrevista, dentre tantos outros temas abordados, o ex-governador Roberto Paulino destacou o seguinte: “Os amigos aqui, no estúdio da Rádio Rural, não possuem contracheque no Governo do Estado nem na Prefeitura de Guarabira. Estão nos prestigiando por pura amizade, algo que considero de muita valia e sinceridade”.

A entrevista de Paulino também foi prestigiada pelos vereadores Zé Ismai, Michelle Paulino, Armando Mallaguty, Saulo de Biu e Adriana de Severo, além de vários suplentes, dentre os quais Beta do Cordeiro e Sebastião Alves (Babá).
***

#Política 

Você pode gostar também

1 comentários

  1. PERAI!, essa turma toda pensa em conseguir emprego em PREFEITURA e no ESTADO só por gritar o nome de lideranças políticas de Guarabira. Essa turma, que não é pouca gente, deveria estar mais preocupada em se qualificar e chegar a uma independência financeira através de concursos, não de carregar siglas partidárias. E se carregar, que seja por livre vontade ou paixão a partidos políticos ou a pessoas.

    ResponderExcluir