Você precisa aprender a respeitar as pessoas, meu senhor

Gentileza gera gentileza, disso eu não tenho dúvidas. E o ódio excita contendas, conforme as Escrit...

Gentileza gera gentileza, disso eu não tenho dúvidas. E o ódio excita contendas, conforme as Escrituras (Provérbios 10: 12a). Eu mesmo constatei isso na manhã de sábado (14), quando me dirigi ao Cartório Eleitoral de Guarabira, atendendo chamado da Justiça Eleitoral, para fazer o cadastramento biométrico obrigatório, já que somos obrigados a votar aqui no Brasil.

Por força de uma lei, eu sou obrigado a fazer biometria e a votar, mas, não há lei pela qual funcionário público - que não deve ser desacatado no exercício de sua função em local de trabalho - possa desrespeitar e constranger um cidadão. Há? E foi o que ocorreu comigo na manhã de sábado: eu fui desrespeitado e constrangido pelo diretor do Cartório de Guarabira.

Eu cheguei ao local às 11h da manhã. A porta da frente estava fechada e não havia ninguém instruindo sobre o atendimento que acontece das 7h ao 12h, aos sábados. Uma pessoa que estava dentro do recinto fez sinal para eu entrar pela porta dos fundos (saída). Como não havia fila do lado de fora, eu fui buscar atendimento pela outra porta e... que decepção!

Na segunda tentativa de entrar, um rapaz - não sei se trabalha no Cartório – me atendeu gentilmente e informou que a entrada era pela porta da frente, porém, enquanto eu tentava explicar que ela estava fechada e que uma pessoa tinha feito sinal para eu entrar pela lateral, o senhor Altino Camilo, com muita arrogância, interviu no diálogo e bateu a porta na minha cara.

Como se não bastasse ser obrigado a atualizar meus dados junto à Justiça Eleitoral em plena manhã de sábado, eu também fui obrigado a lidar com essa situação constrangedora por parte de um servidor da Justiça, a quem compete o devido atendimento e respeito ao público, afinal, ele, como concursado, deve estar ciente de que recebe salário para isso.

Eu entendo o nível de estresse pelo qual os servidores do Tribunal Regional Eleitoral estão passando nesse período de cadastramento, quando trabalham de sábado a sábado. Todavia, nada justifica o constrangimento que sofri por parte de alguém que demonstrou total desequilíbrio emocional para ocupar um cargo importante e para o exercício de sua função.

O detalhe é que eu não dei nenhum motivo para receber um tratamento infeliz como este: eu saí de casa disposto a ir para a fila – a fila no sábado é menor - como as outras pessoas fazem, e ser atendido. Eu não invadi o local, não desacatei ninguém, nem revidei, entretanto, o diretor do Cartório Eleitoral de Guarabira, numa postura desqualificada, bateu a porta na minha cara.

A quem recorrer? 

Não recorri a ninguém. Apenas comentei sobre o fato com duas senhoras, muito educadas, que estavam atendendo os eleitores após a etapa biométrica. Ao relatar o ocorrido, eu senti que uma delas ficou meio constrangida com a minha insatisfação. Eu agradeci pela atenção e me retirei do recinto ciente de que o que aconteceu comigo, deve ter ocorrido com outras pessoas.

Se constrangimento matasse, eu teria sido morto no sábado, sepultado no domingo e estaria no reino dos céus nesta segunda. Ainda bem que sobrevivi à ignorância de alguém que, talvez, devido uma estabilidade, tenha deixado de lado a necessidade de qualificação pessoal e profissional para lidar com gente. Senhor Altino, você precisa aprender a respeitar as pessoas!

É por conta de situações como a que acabo de relatar que o serviço público no país deixa muito a desejar. A população sabe disso. E sofre. O meu desabafo não tem a intenção de prejudicar ninguém. Estou somente esvaziando meu coração daquilo que eu senti na manhã de sábado e contive comigo até poder expressar isso publicamente. 

Que o TRE-PB invista em capacitação para os seus servidores, pois o público que procura a Justiça Eleitoral, órgão no qual trabalha muita gente boa e civilizada, merece todo respeito. Ainda bem que eu não era conhecido no Cartório – o tratamento seria outro, certamente. Dessa vez, no entanto, eu vi e senti na pele o que já ouvi de outras pessoas - custei acreditar.

O senhor Altino não me pediu desculpas. Contudo, fica aqui o espaço, caso ele decida fazer uso do mesmo para contar a sua versão. Mas para mim ele precisa aprender a respeitar as pessoas. Perdão novamente pelo meu desabafo. Espero não estar infringindo nenhuma lei. Gentileza gera gentileza. Eu não queria morrer do coração sem deixar isso claro. #Sociedade #Opinião

Você pode gostar também

0 comentários