São Paulo terá maior fábrica de discos de vinil da América Latina

Por Cristina Luckner Capas que são verdadeiras obras de arte. Encartes que são exemplo de bo...

Por Cristina Luckner

Capas que são verdadeiras obras de arte. Encartes que são exemplo de bom design. Fora a experiência sensorial de passar os dedos por entre os discos, escolher um, acertar a agulha no ponto certo e ouvi-lo tocar na vitrola. Sua extinção e substituição por CDs, MP3 e variações, e agora pelo Spotify, tornou os discos de vinil itens cultuados nos últimos anos.

Mas não só de resgatar a experiência sensorial vive um negócio. O mercado de discos de vinil cresceu 30% no mundo em 2015, de acordo com a consultoria Nielsen. No Brasil, o ritmo de crescimento seria parecido.

Com isso em mente, o produtor e DJ Michel Nath resolveu resgatar a prensa da extinta gravadora Continental de um ferro velho e colocá-la de volta à ativa para marcar o início da segunda (e maior) fábrica de discos de vinil da América Latina. A Vinil Brasil vai funcionar na Barra Funda, bairro da zona oeste de São Paulo, e terá capacidade para produzir 140 mil discos, entre LPs e compactos, por mês. Esse número significa quase quadruplicar a produção de discos no Brasil, que atualmente gira em torno de 40 mil bolachas por mês produzidos pela Polysom, única em operação nesse nicho, localizada no Rio.

Inovação apoiada em um produto essencialmente artesanal -- e esse resgate é tendência. E você, conhece outros exemplos que misturam inovação e o feito à mão?

(Blog do Ikeda, com Quem Inova)
***

#Cultura 

Você pode gostar também

0 comentários