Até mais ver, Fortaleza!

As últimas semanas têm exigido muito de mim. Fato. Mas o final de semana foi compensador. Depois ...

As últimas semanas têm exigido muito de mim. Fato. Mas o final de semana foi compensador. Depois de, pelo menos, duas tentativas de viajar para o Ceará, eu consegui conciliar a agenda e neste final de semana, viajei para Fortaleza: para visitar minha irmã e, claro, aproveitei para conhecer a capital e um pouco do seu entorno, juntamente com minha sobrinha – minha principal acompanhante de aventuras como esta.
O embarque ocorreu na sexta-feira (13) logo cedo. Pegamos o voo 2818, pela Azul. Foi uma viagem tranquila. Dentro do esperado, principalmente para quem não curtia muito esse negócio de viajar de avião. O tráfego aéreo favoreceu. O tempo mais ainda. E o comandante conduziu a aeronave com total precisão, deixando os passageiros bem à vontade. Em síntese, ele deu uma clara demonstração de que é um excelente piloto. Obrigado, comandante!

Minha impressão inicial me fez concluir que em muito a cidade de Fortaleza se assemelha a capital da Paraíba João Pessoa. Mas é muito maior e tem mais opções de lazer e cultura, por exemplo. O trânsito, no entanto, é estressante e complicado. É daqueles que chegam a causar mal estar – e não por falta de sinalização (as BRs e rodovias são bem sinalizadas), mas pela falta de consciência e, sobretudo, educação de alguns motoristas cearenses.

Nossa visita inicial, logicamente, ocorreu à residência da minha irmã Socorro, onde eu e minha sobrinha Geysianne fomos acolhidos – também por Eremita, que esteve conosco nos mostrando esse ‘pedaço do Nordeste’. Nem deu tempo descansar direito depois que chegamos de viagem. Na sexta à tarde, ainda fomos conhecer um pouco do centro da cidade: visitamos a catedral em estilo barroco e o mercado, lugares onde o fluxo de pessoas é intenso.

No mercado, há uma vasta variedade de produtos como roupas, calçados e bolsas de couro, um pouco da gastronomia popular e muito artesanato, por exemplo. Há muita coisa repetida. Os valores são acessíveis, tanto para turistas, quanto para a população local. O atendimento não deixa a desejar. Recomendo uma visita ao mercado central de Fortaleza, onde você encontra de quase tudo, principalmente elementos da cultura nordestina, bom e barato.

Esgotado pela viagem e ao mesmo tempo bastante curioso para explorar a capital do Ceará, eu me rendi ao cansaço... Apaguei. Só “liguei a tomada” no sábado de manhã, quando nós passeamos por lugares históricos do Ceará. Começamos por Aquiraz, a primeira capital do Estado, que hoje faz parte da região metropolitana de Fortaleza. O município é marcante e cheio de história.






Depois de conhecer a primeira capital cearense, fomos com destino a uma tal de “Engenhoca”, que na verdade é um museu pago na mesma cidade, que guarda elementos da época colonial – envolvendo índios e escravos que trabalhavam na produção de cachaça, por exemplo. O local também propõe ao visitante que faça passeios naturais e esportes radicais e de aventura.

Como o visitante tem de pagar para ter acesso às opções de lazer da Engenhoca, o espaço, no meu ponto de vista, deveria ser mais “limpo”, pelo menos na área dedicada a história. E dispor de mais sinalização para uma melhor compreensão do ambiente.








Pelo visto, no tal parque educativo tem prevalecido é a falta de educação de alguns visitantes: tinha muito descartável jogado nos espaços das grandes ‘máquinas’, e morcegos em recintos aparentemente sem cuidados. No geral, a Engenhoca é um lugar bastante agradável.


A volta para casa se deu pela orla cearense, com direito a observar, de longe, o famoso parque aquático Beach Park, ladeado de grandes condomínios. Também há um parque eólico próximo da praia.




Na tarde de sábado, dando continuidade ao passeio, eu e minha sobrinha passamos a maior parte do tempo no Shopping Iguatemi, o maior de Fortaleza. O lugar é grande e tem muita variedade de produtos. Os valores variam, mas favorecem mais aos turistas.

Antes de encerrar a noite com uma pizza, num restaurante de boa comida, bom atendimento e boa música perto de casa, eu e Geysianne provamos uma paleta mexicana de morango, irresistível e inesquecível no shopping. Pena que não sou adepto de gelatos.

No domingo, cedinho, ir à praia foi nossa opção inicial. Dia de sol e céu claro. Detalhe: o céu de Fortaleza é lindo, de um azul único. Não é a toa que a capital do Ceará é considerada a ‘terra do sol’. No domingo, então, deu praia, mar, pé na areia e muitas fotos.

A Praia do Futuro foi a escolhida para iniciarmos nosso roteiro. A orla estava tranquila. Tinha pouca gente na praia. Porém, na alta temporada, o espaço é bastante disputado na areia. A Praia do Futuro não é uma praia de ondas calmas, mas dá para mergulhar com segurança.






Outra opção de lazer e descanso é o Parque do Cocó, um parque ecológico, com muito verde preservado, ar puro e mangue. Um espaço para trilhas, caminhada e pedalada, também para relaxamento e reflexões em grupo ou individual. É uma opção para todos os dias. Recomendo!





Eu observei que o atendimento que gera satisfação ao cliente é uma característica de, pelo menos, a maioria dos restaurantes de Fortaleza. Os que nós visitamos me passaram essa impressão. 


Durante nossa estadia na capital cearense, vimos a sede do Jornal O Povo, a Fundação Edson de Queiroz, além de praças importantes da cidade, como a Praça dos Leões, onde há uma representação em bronze fundido da famosa escritora e jornalista Raquel de Queiroz, cearense que nasceu em 1910 e morreu em 2003.







Ainda no centro de Fortaleza, passamos pela Praça do Ferreira, local de diversas manifestações populares – bem semelhante ao Ponto de Cem Réis, na capital paraibana. Nas proximidades há vários imóveis históricos que abrigam órgãos federais e estaduais - todos preservados e bem conservados.







Outra pracinha bastante interessante é o Passeio Público, um ambiente agradável cheio de natureza. Mais um bom lugar para relaxar, conversar ou ler um jornal, por exemplo.



Uma ‘Baobá’, é uma das atrações naturais do Passeio Público, de onde é possível ver a orla de Fortaleza.

Baobá é uma árvore de até 25 metros, cuja característica é o tronco muito largo, com cerca de 7m de diâmetro. No Ceará há cinco Baobás.

A nossa viajem a Fortaleza foi sensacional. Um passeio e tanto! E este é o resumo do que vimos e apreciamos no estado do Ceará. Eu e Geysianne estamos muito agradecidos pela acolhida e atenção que nos foram dadas na residência familiar nos Jardins das Oliveiras.

No mais, com sentimento de gratidão, satisfação e crescimento cultural e pessoal, nos despedimos do Ceará no voo 2819, pela Azul, com embarque às 20h17 e chegada às 21h55 de segunda-feira (16) em João Pessoa. 

Só me resta dizer: até mais ver, Fortaleza! #Sociedade #Cultura #Turismo

Você pode gostar também

0 comentários