Michel Temer quer fechar 2016 criando cerca de 100 mil vagas de emprego

Do R7 O vice-presidente, Michel Temer, elegeu como prioridade de um eventual governo peemedeb...

Do R7

O vice-presidente, Michel Temer, elegeu como prioridade de um eventual governo peemedebista recuperar a última bandeira conquistada pelo PT e perdida no ano passado: a geração de vagas com carteira assinada. A interlocutores, o vice tem dito que espera fechar 2016 com a geração líquida de postos de trabalho formais no azul. O vice estima que, se conseguir terminar o ano com geração de 100 mil vagas, será um grande feito que iniciará a recuperação do mercado de trabalho.

A marca é ambiciosa diante dos pífios resultados acumulados por meses, mas representa menos de 1% do total de desocupados no País, que já chegam a 11,1 milhões de pessoas, como divulgou o IBGE. Também está apenas 30% além do número de trabalhadores que vivem atualmente numa espécie de “purgatório”, ou porque tiveram de aderir ao plano do governo de redução da jornada e do salário (59,5 mil) ou tiveram o contrato suspenso por três meses (12 mil funcionários nos três primeiros meses do ano).

O esforço para chegar a 100 mil novas vagas será grande, tendo em vista que em 2015 foram fechados 1,54 milhão de postos com carteira assinada. Na hipótese de conseguir alcançar a marca, mesmo assim o resultado de 2016 será inferior ao de 2014 (quando foram gerados 420 mil vagas) e 2013 (1,138 milhão). Mas superior ao de 2012, quando foram criadas apenas 70 mil vagas.

A velocidade do ajuste no mercado de trabalho é impressionante. A maior parte dos analistas projeta que a taxa de desemprego – atualmente em 10,9% – deve aumentar até o fim do ano. A preocupação do PT tem cunho eleitoral. Quando o partido assumiu a Presidência, o desemprego estava na casa dos 12%. No fim de 2014, a taxa alcançou o menor patamar da história: 4,8%. A queda no desemprego virou uma das grandes vitrines de propaganda do governo petista.

Segundo os conselheiros de Temer, é possível criar 100 mil vagas neste ano graças a alguns fatores, como a volta da credibilidade com uma nova equipe econômica, chefiada pelo ex-presidente do Banco Central, Henrique Meirelles. A mudança na percepção dos investidores destravaria as concessões de rodovias, aeroportos, ferrovias e portos – cujos investimentos devem ultrapassar R$ 30 bilhões – e impulsionaria a criação de vagas no setor.
***

#Política

Você pode gostar também

0 comentários