Jackson do Pandeiro, o Rei do Ritmo, está de volta

Por José Teles, do Blog Toques A caixa   Jackson do Pandeiro – O Rei do Ritmo   (Universal Musi...

Por José Teles, do Blog Toques

A caixa Jackson do Pandeiro – O Rei do Ritmo (Universal Music), com 12 CDs duplos e três simples, nas lojas a partir de 17 de junho, já é um dos lançamentos mais importantes do ano na música brasileira. Um projeto que levou dez anos para ser realizado pelo pesquisador e produtor independente Rodrigo Faour, com Alice Soares, gerente do marketing estratégico, e Maysa Chebabi, coordenadora de label copies, estas duas últimas da gravadora.

A trinca enfrentou várias dificuldades, como. por exemplo, conseguir autorização da liberação das composições (alguns autores não foram encontrados), o que fez com que alguns álbuns originais não fossem relançados na íntegra. Outro problema foi a tortuosa carreira fonográfica de Jackson do Pandeiro (1919/1982).  Ela se estende por quase 40 anos, durante os quais o paraibano (de Alagoa Grande) gravou mais de uma centena de compositores, em diversos selos, em LPs, compactos e 78 rotações.

A caixa ficou assim dividida: Os Primeiros Forrós de Jackson do Pandeiro – Vols. 1  e 2, com fonogramas dos anos 50,  Jackson do Pandeiro nos anos 60 – Vols. 1, 2 e 3, com músicas lançadas na segunda metade da década. O início dos anos 60 está registrado em um CDs duplo, sob o título em Na Base da Chinela. Uma quarta compilação, batizada de Balança Moçada engloba gravações realizadas entre 1963 e 1971.

Por fim, mas não menos importante, dois discos originais, completos, estão sendo reeditados, Aqui Tô Eu (1970), e Isso É Que É Forró (1981) derradeiro LP gravado pelo cantor, ambos na Phillips, atual Universal Music. A caixa traz um encarte com as letras de todas as canções (num total de 235), mais uma síntese biográfica de Jackson do Pandeiro, assinada por Rodrigo Faour.

Confiram Jackson do Pandeiro, na TV E, em Sebastiana (Rosil Cavalcanti), primeira música que gravou, no estúdio da Rádio Jornal do Commercio, do Recife, em 1953:



***
#Cultura #Música

Você pode gostar também

0 comentários