Estados Unidos: Rádio segue com o maior alcance entre as opções de mídia

Do Tudo Rádio O portal ZYD Digital publicou ontem (29) um levantamento que aponta que a população dos Estados Unidos segue dedicando um...

Do Tudo Rádio

O portal ZYD Digital publicou ontem (29) um levantamento que aponta que a população dos Estados Unidos segue dedicando uma quantidade significativa de tempo para ouvir rádio FM/AM. A afirmação é baseada na pesquisa Inside Radio / Nielsen, relacionada ao segundo trimestre de 2016. Os dados apontam o rádio na liderança no alcance mensal, superando novas mídias e também a televisão, que aparece na sequência do ranking. E o desempenho indicado como “rádio” considera apenas o consumo relacionado à recepção via AM e/ou FM. Acompanhe:

O ranking do “Alcance Mensal” nos Estados Unidos é liderado pelo Rádio AM/FM, com uma marca de 97%. Na sequência aparece a televisão, com 93% (ao vivo e gravado/DVR). Fecha o “top 3” o alcance mensal de aplicativos/web nos celulares, com 83%. Os demais: 64% para Vídeo nos smartphones, 63% para DVR/TV, 58% para internet em PCs, 39% para vídeos em PCs, DVD/Blu-Ray fica com 37%, Video-games acumulam 29% de alcance mensal e outros dispositivos multimídias marcam 28%.

Os percentuais são relacionados ao total do alcance das plataformas nos Estados Unidos e a soma não resulta 100%, já que uma pessoa pode consumir mais de uma mídia durante um determinado período de tempo. 

Tempo médio segue estável

Outro dado importante da pesquisa Nielsen é relacionado ao “tempo médio” do rádio nos Estados Unidos. Mesmo com o crescimento do digital, o índice do rádio segue estável em 2016 na comparação com os dados de 2015 e 2014. Em 2015 houve uma queda no tempo médio na comparação com 2014, indo de 1h53 para 1h50. Porém em 2016 o rádio se recuperou, registrando um tempo médio de 1h52. 

No geral, o tempo total de consumo das plataformas tem aumentado nos últimos três anos, influenciado por um crescimento do digital. Porém a pesquisa mostra que as novas plataformas não estão “roubando” o tempo de consumo do rádio AM-FM, que está estável. Já a TV, líder isolada no “tempo médio” com 4h09, tem registrado uma ligeira queda em sua média, contra um aumento contínuo do tempo destinado ao consumo de aplicativos/internet nos celulares (1h43).

Os dados são da pesquisa Nielsen, relacionados ao segundo trimestre deste ano, confrontado com os anos anteriores e abrange o público adulto (18+) dos Estados Unidos. O levantamento foi divulgado no Brasil pela ZYD Digital.

Panorama geral do rádio

Na última terça-feira (27), o tudoradio.com divulgou um panorama que mostra a evolução do rádio FM nos principais modelos de smartphones comercializados nos Estados Unidos, apontando uma evolução da ferramenta na comparação entre o primeiro trimestre de 2016 e o último trimestre de 2015. E, em 2015, foi apresentado durante o Congresso da ABERT um levantamento sobre a audiência do Rádio em território norte-americano, considerando os universos Rádio AM-FM e Rádio On-line. Os dois cenários têm apresentado crescimento ao longo dos anos nos Estados Unidos.

O efeito comparativo com os Estados Unidos é importante para o Brasil, já que o país norte-americano costuma apresentar uma série de tendências de consumo, principalmente nas áreas de tecnologia. Com uma internet de melhor qualidade (cobertura e atendimento a demanda), é importante acompanhar o comportamento do Rádio FM-AM nos Estados Unidos, além do avanço do Rádio Online. Por enquanto as pesquisas apontam um crescimento substancial do on-line que, por sua vez, também estão influenciando positivamente no universo offline. Um universo complementa o outro. 

E o rádio brasileiro também conta com números expressivos. Segundo o "Book de Rádio", levantamento realizado pelo Kantar Ibope Media sobre o perfil de consumo do rádio no Brasil, 89% das pessoas residentes em 13 regiões metropolitanas ouvem rádio, representando mais de 52 milhões de ouvintes. Em média, cada pessoa passa mais de 5 horas por dia ouvindo rádio. Os números são relativos ao primeiro trimestre de 2016, que são semelhantes aos índices alcançados pelo rádio em 2015.
***

#SintoniaFina

Você pode gostar também

0 comentários