“Aguas Rasas” mostra que a vida é uma grande aventura

O filme “ Aguas Rasas ” esteve em cartaz no CineMaxxi. Embora o longa esteja classificado como t...

O filme “Aguas Rasas” esteve em cartaz no CineMaxxi. Embora o longa esteja classificado como terror e suspense, eu me deparei com uma grande aventura, cheia de lindas paisagens e cenas impactantes. “Aguas Rasas” é uma história de superação e luta pela sobrevivência.

É impressionante como a linda atriz Blake Liveli, que vive a personagem Nancy, consegue segurar a atenção do espectador do início ao fim do filme. Ela e o tubarão, claro! Até porque sem ele o filme não teria graça. Contudo, ela é a estrela da peça.

Destaco aqui o bom uso de enquadramentos e câmera lenta para promover o surf e explorar a natureza. O filme também faz merchandising do polêmico UBER, de outros apps e do tradicional All Star, sem comprometer a história.

Talvez considerando a imprevisibilidade da vida, o filme dá exemplo de uma amizade imprevisível, revelando também remorsos e lembranças de uma surfista e estudante de Medicina após a morte da mãe.

É num lugar paradisíaco que tudo acontece. Mas até chegar à praia, Nancy sente dificuldade para se comunicar. O perigo começa ai. Eu sempre digo: “uma comunicação eficiente gera bons resultados”. A personagem, no entanto, se lança na aventura. Na aventura da vida, no imprevisível.

Eu achei legal o suspense na cena dos golfinhos como um prenúncio do que viria depois: o terror. Como não sou fera dentro d’água, foi angustiante ver o primeiro ataque que Nancy sofreu do tubarão branco. A partir de então ela começa a lutar pela sobrevivência.

Cercada pelo perigo e bastante ferida, em todo momento a personagem - já no ápice de seus limites, abrigada em um recife de corais e na companhia de uma ave machucada -, busca se superar, considerando possibilidades e fazendo uso do tempo em seu favor.

A situação também faz com que a jovem surfista reflita sobre a necessidade de ajudar ao próximo e sobre o seu amor pela família. Ela também dá claras demonstrações de amizade: quando avisa aos surfistas sobre o perigo no mar, por exemplo.

Sozinha, prestes a virar comida de tubarão, Nancy resiste, ver suas chances de sobrevivência cada vez mais remotas, porém encara a situação e se dá bem. Apesar das cicatrizes físicas e emocionais, a personagem vence o medo de recomeçar. E recomeça. #Cultura #Cinema #AguasRasas

Você pode gostar também

0 comentários