"Back to Black": Disco que consagrou Amy Winehouse completa 10 anos; programa de rádio faz especial nesta sexta, 28

O segmento Audiografia, que volta ao ar durante o Conexão 90 Graus, da Guarabira FM, após as minhas férias, novamente destaca Amy Winehou...

O segmento Audiografia, que volta ao ar durante o Conexão 90 Graus, da Guarabira FM, após as minhas férias, novamente destaca Amy Winehouse nesta sexta-feira (28). Não necessariamente a cantora, mas o álbum “Back to Black”, segundo disco de estúdio da diva pop, que completou 10 anos de seu lançamento nesta quinta-feira (27).

Em “Back to Black”, a cantora inglesa Amy Winehouse é ‘visceral’. Ela ‘corta na carne’ e nos presenteia com um disco sensacional, cheio de personalidade, avalio. É um disco de boas influências que, certamente, está na lista de álbuns clássicos do século. “Back to Black”, afirmo, é bom do início ao fim. Experimente ouvir!

Com 10 faixas autorais, “Back to Black” foi um sucesso de crítica. O público também aprovou. Com produção de Salaam Remi e do visionário Mark Ronson, o disco é composto de canções de qualidade, porém bastante comerciais para rádios - do segmento pop ao mais ‘sofisticado’. O sucessor de Frank (2003), 1º álbum de AW, é, portanto, excelente.

Pela excelência musical, “Back to Black” foi o responsável pela ascensão da talentosíssima Amy Winehouse - por tê-la projetado para o mercado pop. O sucesso do álbum a transformou numa estrela pop, aos 23 anos, mas também acabou com toda e qualquer possibilidade da cantora inglesa ter uma vida normal.

Diferente do primeiro álbum “Frank”, que tem uma pegada mais ‘jazzística’ e que já anunciava Amy como uma cantora de potencial, “Back to Black” é voltado para o soul e R&B. A diferença entre os dois é bem clara do início ao fim. O segundo disco também é cheio de curiosidades polêmicas: algumas delas, eu quero reproduzir e registrar aqui.

Há um documentário sobre "AMY", disponível no Netflix. O blog recomenda!
***
Quem é, afinal, “Mr. Jones” – da faixa “Me and Mr. Jones”? É o rapper Nas. Ele mesmo confirmou isso em 2011. Nas e Amy tiveram um breve romance e a música tem pistas sobre isso. A letra cita o aniversário de Amy e Nas que era no mesmo dia, 14 de setembro, e o nome da filha dele, Destiny. O nome de batismo dele é Nasir Jones - ou Mr. Jones.

De onde surgiu o refrão viciante de 'Rehab'? Segundo o pai da Amy, o famoso "no, no, no" veio de uma conversa entre a filha e o produtor Mark Ronson. Ela contava sobre as tentativas de interná-la depois do disco de estreia "Frank", e de como ela disse “não, não, não”. O produtor achou sonoro e sugeriu que ela fizesse uma música a partir disso. A composição saiu em três horas, diz o pai.

Amy avisou mesmo que não era boazinha, como canta em ‘You know I'm no good’? Essa música, assim como a maior parte do disco, é sobre o romance conturbado com Blake Fielder-Civil. No documentário “Amy” ele se abre sobre isso. Diz que ela avisou de verdade para ele que não era boazinha. Amy pôs a culpa do comportamento promíscuo no trauma pelo pai ter abandonado a mãe quando ela era mais nova.

Quem é ‘a outra’ de ‘Back to Black’? Sarah Aspin era o nome da outra namorada de Blake. Ela disse a jornais ingleses que sabia do caso com a Amy, e que deixava ele se encontrar com ela porque tinha pena. Mesmo com seu jeitão mulherengo, Blake e Sarah estão juntos até hoje e têm dois filhos.

Qual foi a primeira música do disco a ficar pronta? “Love is a losing game” foi a primeira finalizada por Mark Ronson. Ele disse para a um revista que ficou nervoso quando Amy foi na mesa de mixagem. Mas ela chegou perto dele e deu um abraço. Depois do alívio, só rolou um pedido: “Abaixa o volume da harpa, porque tá parecendo alguma mer** de Mariah Carey”.

Por que a turnê de ‘Back to black’ foi tão longa? Não é por acaso que o aniversário de 10 anos do disco parece ter chegado cedo demais. É que ele rendeu cinco anos de divulgação e shows. Cada vez mais frágil, Amy não tinha condição de gravar outro álbum. Por outro lado, com um show já montado, ela era incentivada a aceitar cachês milionários. (Blog do Ikeda, com G1) #Cultura #Música

Você pode gostar também

0 comentários