Editorial: Rádio Rural, antes e depois da paralisação

É lamentável o que está ocorrendo na Rádio Rural AM de Guarabira, uma das maiores emissoras da Paraíba. Uma crise de gestão tem compro...

É lamentável o que está ocorrendo na Rádio Rural AM de Guarabira, uma das maiores emissoras da Paraíba. Uma crise de gestão tem comprometido a programação, a relação entre empregador e empregado e, por consequência, está gerando outra crise pior: a de credibilidade.

Adianto que estou do lado dos meus colegas de imprensa, injustamente demitidos - com quem fico solidário. Quero comentar essa situação considerando algo indispensável para o bem de uma empresa: a relação de trabalho entre quem presta serviço e quem paga pelo serviço prestado.

Como fora tornado público pela imprensa, por causa de salários atrasados, incluindo o 13º, funcionários da Rádio Rural paralisaram suas atividades nesta quarta-feira (28) - somente alguns: o pessoal do jornalismo. Mas todos deveriam ter aderido.

O fato ganhou repercussão nos principais sites da região e logo a direção da emissora se prontificou em regularizar a situação efetuando os pagamentos, reconhecendo o direito dos profissionais. Todos, portanto, já receberam seus salários e o décimo.

Na manhã desta quinta-feira, porém, as mudanças começaram a ocorrer. O radialista Feliciano Silva, da Rádio Cultura AM, foi transferido para a Rádio Rural. E o radialista Raelson Galdino, um jovem de bastante talento, foi posto para fora: demitido!

Conforme o blog apurou, Digenilson Silva, outro grande profissional, recebeu férias. No entanto, todos sabem o que “as férias” significam nas emissoras do Grupo João Rafael... Provavelmente, ao retornar, Silva também será desligado da empresa pelo que se comenta.

Em relação ao jornalista Eraldo Luis, um dos mais experientes do rádio paraibano, também foi demitido por causa da tal paralisação. A emissora está dispensando nomes de credibilidade, consumando o que pode ser a pior crise para uma empresa de comunicação.

Nada contra quem vai chegando - “caindo de paraquedas” e ainda ‘aprendendo a conjugar o verbo falar’, sem nenhuma chamada prévia para estreia, por exemplo. Acredito que há quem esteja disposto a encarar um estado de submissão e “humilhação”, até certo ponto.

Os funcionários dispensados nesta manhã não somente falavam ao microfone, também escreviam. É uma perda grande para a rádio, avalio. A empresa começou a perder quando dispensou o jovem Joab Freire, a quem o Portal Nordeste 1 deve muito.

A emissora vai continuar no ar, eu sei. Outros estão chegando para ocupar o espaço. Contudo, a direção tem sorte de contar com audiência de um povo inteligente, não exigente: porque há quem não abra mão da qualidade do conteúdo levado ao ar e de um bom texto.

Eu justifico o parágrafo anterior ciente de que além do horário na rádio, os profissionais também colaboravam com o Nordeste 1, site de notícias do Grupo JR, que pela aferição do Top Sites PB é o 2º mais acessado na região de Guarabira.

São Paulo diz que “o trabalhador é digno de seu salário” (I Timóteo 5:18). Os comunicadores da Rádio Rural também. Os das demais estações de rádio, idem! Cabe aos contratados dar o expediente; e aos contratantes pagar pelo expediente funcional.

O trabalhador produz mais quando se sente motivado, pelo menos recebendo seus vencimentos em dia. E a motivação contribui para uma produção maior e melhor – em mais resultados para o patrão. Um depende do outro, nessa relação, para a geração de trabalho e renda.

Os radialistas, que tanto cobram em benefício de outros, reivindicaram o que lhes era devido: os seus próprios direitos - afinal todos têm família, portanto trabalham para viver, não o contrário disso. Eis o motivo pelo qual foram demitidos. É injusto.

Devido a repercussão, coube a empresa a opção de reconhecer a falha que compromete a relação de trabalho com seus colaboradores, pondo em declínio uma das rádios mais populares do estado, por onde passaram outros grandes nomes da radiodifusão paraibana.

O empregador tem o direito de admitir e demitir quando achar necessário, eu reconheço. Por outro lado, atrasar salário deve ser o último recurso, pois o trabalhador não deve ser prejudicado - mesmo durante uma crise. Com ou sem crise, todos têm compromissos!

Torço para que esta situação de crise administrativa seja superada na Rádio Rural. E que a emissora não sofra uma crise de credibilidade e identidade nos próximos dias, quando também haverá de migrar para FM com novas possibilidades, principalmente de lucro.

Querem aumentar o faturamento? Valorizem seus profissionais, melhorem o produto levado ao ar e depois façam por onde conquistar o público e aumentar a audiência. A Rádio Rural de Guarabira tem história. E uma história antes e depois da “paralisação de dezembro”.

E ainda em relação à paralisação de ontem, os profissionais fizeram o que já fazem nos grandes centros, onde a classe é unida e luta, conscientemente, pelos seus direitos em decorrência de seus deveres. Só faltava isso acontecer em Guarabira. Aconteceu. Fica a lição. #SintoniaFina #Opinião

Você pode gostar também

3 comentários

  1. A crise administrativa tem afetado todo o grupo João Rafael, os funcionários do lojão Ricol tem sofrido e sido humilhado da mesma forma, com salários atrasado e o décimo 13 negado, o Senhor João Rafael esquece que os seus funcionários teêm famíliares a sustentar e obrigações a cumprir. É um verdadeiro descaso e falta de respeito com seus funcionários, onde esse problema se arrasta por muitos anos, nunca muda e fica por isso mesmo.

    ResponderExcluir
  2. Não estou aqui condenando ninguém, mas gostaria de esclarecer algumas coisas. 1- a paralisação não foi comunicada a todos,não sei o motivo mas, eu não soube de algo combinado entre eles e se tivesse sido comunicada, eu não iria aderir antes de ver se seria cumprido o que foi me dito na terça-feira: "o pagamento sairia da terça para quarta", e de fato saiu. 2-Sabendo da paralisação, eu PODERIA DECIDIR PARALISAR OU NÃO! 3-De minha parte, desejo trazer ao rádio o pouco que sei, não sei se será o esperado por estas pessoas que se dizem intelectuais e exigentes, mas, dos piores que estão no rádio, eu tenho a certeza de que ainda sei falar o português e pretendo trazer o melhor possível para o programa. 4-Presto minha solidariedade aos colegas. Foram para mim grandes companheiros, especialmente Eraldo que é brilhante e sei que o sol vai brilhar em suas jornadas. Greice Targino.

    ResponderExcluir
  3. COM ESTA MIGRAÇÃO DA FAIXA DE AM PARA FM, AINDA VAI CAUSAR MAIS DEMISSÕES, POR ISTO OS EMPRESARIO ESTÃO TORCENDO PARA QUE SEJA FEITA ESTA MUDANÇA. QUERO QUE ALGUÉM ME DIGA, PORQUE O GOVERNO ESTA TÃO INTERESSADO EM ACABAR A FAIXA DE AM

    ResponderExcluir