Em JP: Trabalhadores organizam greve geral para o dia 28

Click PB A greve geral do dia 28 de abril, em protesto contra as reformas propostas pelo presidente Michel Temer mobiliza nove centra...

Click PB

A greve geral do dia 28 de abril, em protesto contra as reformas propostas pelo presidente Michel Temer mobiliza nove centrais que atuam na Paraíba e federações que movimentam a economia no estado. De acordo com o presidente da Central Única dos Trabalhadores (CUT), Paulo Marcelo, a intenção é mobilizar a sociedade e parar a Capital paraibana.

Paulo acredita que até o dia 19 muitas federações e sindicatos, a exemplo dos bancários, professores, judiciário, comerciários, da agricultura e outras categorias realizem assembleia para definir se aderem ao protesto. “Os transportes coletivos já decidiram que vão parar”, informa.

O movimento poderá contar ainda com setores da igreja católica progressistas. “Temos conversado com alguns padres e eles estão sensibilizados com a luta dos trabalhadores e podem convocar fiéis para participarem do protesto”, revelou.

De acordo com o presidente da CUT-PB, na próxima segunda-feira (17), a central deve liberar a programação das manifestações que serão realizadas contra a reforma Trabalhista, a Terceirização e principalmente contra a reforma da Previdência.

Hoje pela manhã, de acordo com Paulo, foi realizada a primeira grande reunião com todos os dirigentes de centrais sindicais para preparar a greve geral.

Além de João Pessoa, o presidente Paulo Marcelo informa que ocorrerá também greve geral nas principais cidades polos da Paraíba, a exemplo de Guarabira, Capina Grande, Patos, Sousa, e Cajazeiras.

Além da liberação da programação da greve geral, militantes das centrais sindicais vão às ruas de João Pessoa fazer panfletagem. “Queremos mostrar à sociedade o clima de descontentamento do trabalhador com o governo Temer”.

O presidente da CUT prefere não fazer uma estimativa de quantas pessoas devem participar da greve geral. “A expectativa é grande”, disse ao prometer fazer uma avaliação após o movimento. 
***

#Política #Sociedade

Você pode gostar também

0 comentários