Câmara aprova título de cidadão guarabirense ao poeta Ismael Freire

Carta PB A Câmara Municipal de Guarabira aprovou nesta quinta-feira (18) o projeto de decreto que previa a concessão do título de cid...

Carta PB

A Câmara Municipal de Guarabira aprovou nesta quinta-feira (18) o projeto de decreto que previa a concessão do título de cidadão guarabirense ao poeta Ismael Freire.

O bananeirense de 93 anos, mora em Guarabira desde a década de 1940. É autor de folhetos de cordéis e sonetos. Em 2016 teve seu livro ‘Versos Diversos: Sonetos e Poemas’ publicado pela Secretaria Municipal de Cultura.

O projeto de decreto de autoria do vereador Leonardo Macena (PPS) foi aprovado por unanimidade no plenário da casa, após apreciação da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Casa.

O objetivo do projeto, segundo o parlamentar, foi reconhecer a grandeza do poeta Ismael Freire, assim como sua importância histórica e cultural para Guarabira.

“Seu Ismael e suas obras, são um. Patrimônios de Guarabira, lugar onde ele vive desde a década de 40. Aqui começou a escrever poesia e nunca mais parou. É mais do que justo reconhece-lo como guarabirense”, defendeu o Leonardo.

Cidadão Guarabirense

Em 2014, Ismael Freire recebeu da classe artística de Guarabira, um ‘título de cidadania guarabirense’. Embora não oficial, uma cerimônia foi realizada no Teatro Geraldo Alverga, em comemoração, na época, a passagem de seus 90 anos.

Ismael Freire

O poeta nasceu em Bananeiras, no Brejo paraibano, em 1924. Chegou em Guarabira em 1940, onde reside até hoje. De infância pobre, só foi alfabetizado aos 28 anos, época em que despertou interesse pela poesia.

Foi violeiro e passou a produzir folhetos de cordéis e vende-los nas feiras da Paraíba e estados vizinhos ao lado do amigo Chico Pedrosa – também referência em poesia popular.

Seu primeiro folheto escrito foi em 1952 com o título ‘A Profecia do Velho Mensageiro’.

Ele também conviveu e foi amigo de brilhantes cordelistas como os guarabirenses Manoel Camelo dos Santos e José Camelo de Melo este último, autor do Pavão Misterioso.

Ismael ainda desenvolveu outras profissões na cidade, foi fogueteiro, funileiro, ferreiro, agricultor e xilógrafo.
***

#Cultura 

Você pode gostar também

0 comentários