Temer foi gravado por dono da JBS aprovando compra de silêncio de Cunha na prisão

Jovem Pan O presidente Michel Temer foi gravado pelo dono da JBS Joesley Batista aprovando a compra de "mesada" para o ex-p...

Jovem Pan

O presidente Michel Temer foi gravado pelo dono da JBS Joesley Batista aprovando a compra de "mesada" para o ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha, já preso na Lava Jato, para silenciá-lo. A informação foi fornecida à Procuradoria-Geral da República pelos donos da frigorífica, Joesley e Wesley Batista, em delação premiada.

Os dados comprometedores já teriam sido apresentados ao ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Edson Fachin, relator da Lava Jato na alta Corte, a quem cabe homologar o conteúdo da delação.

A informação é do colunista do jornal O Globo, Lauro Jardim.

A reação no Congresso Nacional foi imediata. Os presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e do Senado, Eunício de Oliveira, encerraram as sessões imediatamente e os líderes estão reunidos. No Senado, opositores propuseram a abertura "imediatamente" de um pedido de impeachment de Michel Temer. O deputado Alessandro Molon (Rede-RJ) foi mais rápido e já protocolou um pedido de impedimento.

Joesley Batista informa ao presidente da República que estava pagando a Cunha e ao operador Lúcio Funaro, dentro da prisão, um valor para evitar que eles fizessem delação premiada. Na gravação, Michel Temer teria dito: "tem que manter isso, viu?"

A gravação teria sido feita em março deste ano. Eu outra gravação no mesmo mês, Temer também indica o deputado Rodrigo Rocha Lourdes (PMDB-PR) para resolver assuntos da J&F (controladora da JBS).

Uma gravação posterior, então, registrou a entrega de uma mala de R$ 500 mil em dinheiro enviada, a pedido de Joesley, para Rocha Lurdes.

Aécio

O jornal informa ainda que na delação de Joesley, o senador Aécio Neves (PSDB-MG), presidente da sigla, é gravado pedindo ao empresário R$ 2 milhões. A gravação teria sido feita pela própria Polícia Federal. A entrega do dinheiro a um primo de Aécio, também foi filmada. A destinatária seria uma empresa pertencente ao tucano mesmo Estado, senador Zezé Perrela (PSDB-MG).

O dinheiro estava marcado e as mochilas de dinheiro tinham chips e estavam sendo rastreadas, informa o repórter Jovem Pan em Brasília José Maria Trindade.

Mantega

A delação de Joesley também aponta o ex-ministro da Fazenda de Dilma e Lula, Guido Mantega, era o seu contato para distribuir propina a petistas e aliados, segundo o jornal.


***
#Política

Você pode gostar também

0 comentários