Ipea: jovens têm mais chances de demissão e de não conseguir emprego

Por Teo Cury, Poder 360 No último trimestre, começou 1 processo de  recuperação no mercado de trabalho brasileiro . Mas, apesar de um...

Por Teo Cury, Poder 360

No último trimestre, começou 1 processo de recuperação no mercado de trabalho brasileiro. Mas, apesar de uma expansão dos rendimentos reais e de uma desaceleração da taxa de desocupação, os trabalhadores mais jovens ainda estão enfrentando 1 período difícil.

Os brasileiros entre 18 e 24 anos têm mais dificuldade de conseguir emprego e mais chances de serem mandados embora, de acordo com a “Carta de Conjuntura” sobre mercado de trabalho (íntegra) divulgada nesta 5ª feira (14.set.2017) pelo Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada).

A taxa de desocupação entre a população mais jovem foi a maior no 2º trimestre do ano, de 27,3%, equivalente a 4,3 milhões de pessoas. O mais recente estudo do Ipea mostra que essa faixa etária é a que registrou a maior perda de ocupação. Ou seja, o maior número de demissões se deu entre os mais jovens.

No 2º trimestre deste ano, 7,3% dos trabalhadores com idade entre 18 e 24 anos que estavam trabalhando ficaram a desempregados. Uma alta de 2 pontos percentuais em relação ao mesmo período do ano passado.

Em contrapartida, o estudo mostra que os trabalhadores ocupados com mais de 60 anos formam o segmento com menor probabilidade de perder o emprego.

INFORMALIDADE

O combustível para a recuperação do mercado de trabalho no 2º trimestre foi a informalidade. No período, dos 1,3 milhão de trabalhadores que ingressaram à população ocupada, 1 milhão vieram do mercado informal.

Dentre os trabalhadores que estavam desempregados e conseguiram uma nova ocupação, 43% foram incorporados pelo mercado informal, 28% obtiveram uma vaga formal, 28% se tornaram conta própria e 1% viraram empregadores“, diz o estudo.

O levantamento mostra ainda que de todos os trabalhadores que transitaram da ocupação para a desocupação, 32% estavam empregados no mercado formal. No setor informal, observa-se uma estabilidade ao longo do tempo: 38% dos ocupados neste segmento perdem seus empregos a cada trimestre.

Isso sinaliza, de acordo com o estudo, que cabe a este setor a maior movimentação entre trabalhadores que transitam da ocupação para a desocupação ou para a inatividade. Tem sido mais intensa a movimentação de entrada e saída do mercado de trabalho dos trabalhadores por conta própria, observou o relatório.

Apesar dos recentes resultados da informalidade, em termos agregados, o mercado formal continua sendo o principal empregador do país, de acordo com o estudo. São 44 milhões de trabalhadores formais ocupados, o que corresponde a 49% de toda a ocupação.

O estudo mostra que ao longo dos últimos anos, o número de trabalhadores por “conta própria” vem crescendo continuamente. Já o contingente de empregados no mercado formal mantém-se estável.

Como consequência, a participação relativa dos trabalhadores informais no total da ocupação recuou 2 pontos percentuais entre 2012 e 2017 (de 23% para 21%). A dos trabalhadores “conta própria” avançou de 22% para 25%.
***
#Sociedade

Você pode gostar também

0 comentários