Mistério na construção da pirâmide de Gizé é desvendado

Curiosa Mente, Diário de Pernambuco  Arqueólogos acreditam ter resolvido um dos maiores mistérios da história: como os egípcios teria...

Ricardo Liberato/Creative Commons
Curiosa Mente, Diário de Pernambuco 

Arqueólogos acreditam ter resolvido um dos maiores mistérios da história: como os egípcios teriam transportado 170 mil toneladas de pedras para construir a Piramide de Gizé. Evidências encontradas próximas à cidade de Cairo, no Egito, apontam que barcos foram criados com a finalidade de mover essas pedras.

Há muito tempo, arqueologistas sabem que as pedras foram extraídas de um local chamado Tura, a 12 km de distância, e granito foi trazido de uma outra região a 800 km das construções. Porém, a grande pergunta era como o material havia sido transportado.  Algumas teorias apontavam até para a participação de alienígenas.

Um rolo de papiro (folha utilizada na escrita antiga) foi encontrado junto aos restos de um navio e um mapeamento de vias navegáveis pela água. Essas seriam as provas de como a locomoção dos objetos seria realizada. O arqueologista que lidera uma das equipes de pesquisa, Pierre Tale, passou quatro anos estudando o achado e declarou que tinha certeza que se tratava do mais antigo do mundo. O documento teria sido escrito por um homem chamado Merer, líder de cerca de 40 marinheiros de elite. Segundo a análise, centenas de trabalhadores bem treinados usaram barcos para navegar os canais do Rio Nilo e transportar o material. Os barcos eram amarrados com cordas grossas, que também foram encontradas, em excelentes condições.

Arqueólogos acreditam que, após coletar os materiais, os trabalhadores os levavam até um porto interior localizado na base da pirâmide. No total, cerca de 2,3 milhões de pedras foram enviadas em duas décadas, usando esse caminho por cima do rio. “Nós delineamos o canal central da bacia, a qual acreditamos ser a área principal de entrega até o pé da Pirâmide de Gizé”, contou o arqueologista Mark Lehner em entrevista ao jornal britânico The Independent.
***

#Sociedade #Cultura 

Você pode gostar também

0 comentários