Biodigestão é melhor alternativa a lixões do que aterros, diz especialista

Por Paloma Rodrigues e Douglas Rodrigues, Poder 360  A luta do Brasil para fechar seus lixões e construir aterros sanitários é uma co...

Por Paloma Rodrigues e Douglas Rodrigues, Poder 360

 A luta do Brasil para fechar seus lixões e construir aterros sanitários é uma corrida para o século 20. É o que diz a professora de gestão ambiental da USP, Sylmara Gonçalves Dias. Para ela, o mundo caminha para aplicar regras do século 21, onde o destino para os resíduos orgânicos é a biodigestão.

“A política do aterro amarra o município a pensar em 1 consórcio, mas há outras saídas”, diz Sylmara, completando:

“Pensamos em algo que favoreceu a indústria de limpeza urbana, porque eles têm a tecnologia de aterro e não querem perder o ganha pão, mas o aterro custa muito para o Estado.”

Já o processo de biodigestão é menos custoso, porque pode ser feito em menor escala. Ele ocorre em grandes tanques, que funcionam como uma panela de pressão, onde a matéria orgânica (restos de alimentos) é decomposta. Do procedimento é gerado 1 gás que pode ser convertido em energia, tanto para automóveis quanto elétrica. Como 60% do lixo produzido no país é resíduo orgânico, a matéria-prima para essa fonte de energia é imensa.

Alguns aterros no Brasil já utilizam o gás excedente do próprio tratamento do lixo no aterro:

“A geração de energia do biogás é uma tendência real”, diz o diretor da Estre –maior empresa de limpeza urbana do Brasil–, Gustavo Caetano.

Hoje, 2 dos 13 aterros da empresa captam o gás gerado na operação diária do lixo.

Há 1 projeto a ser desenvolvido no próximo ano para que o aterro de Paulínia, em São Paulo, administrado pela Estre, também comece a receber motores para biodigestão. Serão 26, ao todo. A vantagem dessas estruturas é que podem ser empreendimentos menores e menos custosos, enquanto os aterros demandam muito dinheiro e exigem 1 volume grande de lixo para compensarem sua construção.

“Podemos fazer de forma descentralizada, em cada bairro, em pequenas cidades”, diz Sylmara. “Não precisamos de grandes monumentos para tratar nosso lixo.”


*** 
#Sociedade

Você pode gostar também

0 comentários