Paradise Papers: rainha da Inglaterra tem R$ 43 milhões em paraísos fiscais

Poder 360 A Rainha da Inglaterra, Elizabeth 2ª, tem cerca de £ 10 milhões (aproximadamente R$ 43 milhões) em patrimônio pessoal inves...

Poder 360

A Rainha da Inglaterra, Elizabeth 2ª, tem cerca de £ 10 milhões (aproximadamente R$ 43 milhões) em patrimônio pessoal investidos em offshores, conforme mostram os arquivos da Appleby revelados pela série de reportagens Paradise Papers. O registro oficial das propriedades da rainha, o Ducado de Lancaster, oferece algumas informações sobre os investimentos no Reino Unido, mas os arquivos da série revelam detalhes nunca antes conhecidos sobre os investimentos offshore da Coroa.

Segundo os arquivos, em 2007 a administração do patrimônio da rainha colocou recursos em um fundo nas Ilhas Cayman que, por sua vez, aplicou os valores em uma companhia de investimentos que controlava a BrightHouse –uma firma do Reino Unido criticada por associações de defesa dos consumidores e por membros do Parlamento. A BrightHouse é acusada de vender eletrodomésticos e outros itens para a casa a britânicos endividados impondo pagamentos à prestação do tipo crediário com taxas de juros de até 99,9% ao ano.

Outra parte dos valores da rainha está na empresa varejista Threshers. A companhia faliu com uma dívida de £ 17,5 milhões (R$ 75,7 milhões) em impostos com o Reino Unido. O Ducado de Lancaster alega que a participação da coroa na BrightHouse equivale a apenas £ 3.208 (R$ 13.883) e que não teria envolvimento em decisões de investimentos dos fundos.

Um porta-voz da rainha Elizabeth 2ª disse ao The Guardian, parceiro do ICIJ, que o ducado tem investimento no fundo das Ilhas Cayman e que não estava ciente da aplicação na BrightHouse. A rainha paga voluntariamente impostos sobre a renda do ducado e seus investimentos, disse. O Ducado de Lancaster foi estabelecido há cerca de 700 anos e tem portfólios comerciais e residenciais, além de investimentos financeiros. A principal função dele é garantir receita à rainha Elizabeth.

Detalhes sobre esses tipos de investimentos foram revelados pela série de reportagens Paradise Papers. São 13,4 milhões de documentos de empresas, como a Appleby, considerada uma das maiores offshores do planeta. A investigação jornalística Paradise Papers começou a ser publicada no domingo (5.nov.2017) e é uma iniciativa do ICIJ (Consórcio Internacional de Jornalistas Investigativos), organização sem fins lucrativos com sede em Washington, nos EUA.

A série é 1 trabalho colaborativo de 96 veículos jornalísticos em 67 países –o parceiro brasileiro da investigação é o Poder360. A reportagem está sendo apurada há cerca de 1 ano. Os dados foram obtidos pelo jornal alemão Süddeutsche Zeitung a partir de 2 fornecedores de informações de offshores e 19 jurisdições que mantêm esses registros de maneira secreta.

Investir dinheiro num paraíso fiscal é 1 recurso dentro da lei para pagar menos impostos. No Brasil, por exemplo, esse tipo de investimento deve ser declarado à Receita Federal e ao Banco Central. Também foram investidos, em 2004, £5 milhões (R$ 21,6 milhões) no Jubilee Absolute Return Fun Limited, em Bermuda. Tal investimento foi encerrado em 2010.
***

#Sociedade #Política

Você pode gostar também

0 comentários