Redação do Enem aborda os desafios da educação para surdos no país

Por Renan Melo Xavier, Poder 360 A redação do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) deste ano tem como tema  Desafios para a formação e...

Por Renan Melo Xavier, Poder 360
A redação do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) deste ano tem como tema Desafios para a formação educacional de surdos no Brasil. Os participantes deverão escrever seus textos neste domingo (5.nov.2017). O 1º dia de aplicação do exame também traz questões de Ciências Humanas, Linguagens e suas Tecnologias. Os portões fecharam às 13h.
A redação tem sido a principal polêmica da edição do Enem deste ano. Em 26 de outubro, o desembargador Carlos Moreira Alves, do TRF-1 (Tribunal Regional Federal da 1ª Região), acatou a uma ação da Associação Escola Sem Partido que derrubava o item do edital do exame que conferia nota 0 (zero) aos candidatos que ofendessem os direitos humanos no texto.
O governo recorreu da decisão no STF (Supremo Tribunal Federal). No entanto, a presidente da Corte, ministra Cármen Lúcia, negou as liminares apresentadas pela PGR (Procuradoria Geral da República) e pela AGU (Advocacia Geral da União) e manteve a decisão do desembargador.
O Ministério da Educação e o Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira) não vão recorrer da decisão. Para os órgãos, os candidatos devem fazer a prova em segurança jurídica.
Contudo, os candidatos que ferirem os Direitos Humanos não conseguirão alcançar a nota máxima da redação (1.000 pontos). Uma outra norma do Enem prevista em edital não permite que essa pontuação seja alcançada em caso de desrespeito aos princípios básicos da humanidade.
Essa regra é a chamada Competência 5. Ela prevê que os candidatos devem “elaborar proposta de intervenção para o problema abordado, respeitando os direitos humanos”.
Eis as competências:
  • competência 1: demonstrar domínio da modalidade escrita formal da Língua Portuguesa;
  • competência 2: compreender a proposta de redação e aplicar conceitos das várias áreas de conhecimento para desenvolver o tema, dentro dos limites estruturais do texto dissertativo-argumentativo em prosa;
  • competência 3: selecionar, relacionar, organizar e interpretar informações, fatos, opiniões e argumentos em defesa de um ponto de vista;
  • competência 4: demonstrar conhecimento dos mecanismos linguísticos necessários para a construção da argumentação;
  • competência 5: elaborar proposta de intervenção para o problema abordado, respeitando os direitos humanos.
A redação exige a produção de 1 texto em prosa, do tipo dissertativo-argumentativo, sobre o tema proposto. Ele pode ser de ordem social, científico, cultural ou político. O candidato deve defender uma tese, apoiada em argumentos consistentes, estruturados com coerência e coesão. A organização também cobra a elaboração de uma proposta de intervenção social para o problema proposto.
Os textos serão avaliados por, pelo menos, 2 avaliadores. Eles devem atuar de forma independente, sem conhecer a nota atribuída pelo colega de correção. Eles avaliarão o desempenho do participante de acordo com as 5 competências apresentadas pelo Inep.
Cada 1 deles atribuirá uma nota que pode variar de 0 (zero) a 200 pontos para cada uma das competências. A soma desses itens compõe a nota total, que pode chegar a 1.000 pontos. A nota final do candidato será a média aritmética das notas totais atribuídas pelos 2 avaliadores.
Ainda sobre a redação, o Inep lembra que sobre o que pode dar nota 0 (zero) aos candidatos, como:
  • fugir do tema proposto;
  • não atender a proposta pedida;
  • entregar a Folha de Redação sem nada escrito;
  • usar parte de texto desconectada do tema proposto;
  • escrever só 7 linhas, qualquer que seja o conteúdo;
  • usar impropérios, desenhos e outras formas propositais de anulação;
  • fazer uma estrutura de texto diferente do tipo dissertativo-argumentativo.

*** 
#Sociedade

    Você pode gostar também

    0 comentários