Previdência: partidos devem usar emendas e recurso eleitoral como incentivo

Por Naomi Matsui, Paloma Rodrigues e Gabriel Hirabahasi, Poder 360 Interlocutores do Planalto admitem que emendas devem ser usadas ...

Por Naomi Matsui, Paloma Rodrigues e Gabriel Hirabahasi, Poder 360

Interlocutores do Planalto admitem que emendas devem ser usadas como “1 estímulo” na negociação com os deputados para angariar votos pela aprovação da reforma da Previdência. “Havendo caixa, o governo libera”, disse ao Poder360 Darcísio Perondi (PMDB-RS), da tropa de choque de Temer.

O Planalto já encomendou o levantamento de quanto disporá para distribuir.
No jantar de domingo (3.dez.2017), Michel Temer ouviu de algumas legendas que deverão fechar questão pela reforma da Previdência. No jargão político, é quando 1 partido decide que seus congressistas serão punidos se não votarem como determinou o comando da sigla.

O presidente do PTB, Roberto Jefferson, foi o mais enfático nesse sentido. O vice-líder Darcísio Perondi (PMDB-RS) disse que seu partido fechará questão até amanhã. O PP também discute 1 posicionamento único para a bancada. PSD e DEM são os mais resistentes a formalizar a decisão.

FUNDO ELEITORAL

O presidente do PTB sugeriu que os partidos não mandem verba do fundo eleitoral aos deputados que votarem contra a reforma previdenciária. Gilberto Kassab, comandante do PSD, resistiu. Disse que isso provocará uma debandada das legendas.

DISSIDENTES NEM SEMPRE PUNIDOS

Nem sempre os partidos que fecham questão sobre determinado assunto punem os congressistas que votam contra. No PMDB, por exemplo, foram poucos os punidos depois que votaram a favor das denúncias contra Temer apresentadas pela Procuradoria Geral da República.

TAMANHO REDUZIDO

Os votos contra as duas denúncias estão sendo usados como base para a contagem inicial pela aprovação da reforma. Com os dissidentes do PSDB fora da conta, o presidente obteve o apoio de 278 deputados contra a denúncia (incluindo os ausentes). São necessários 308 para aprovar a reforma.
***

#Política 

Você pode gostar também

0 comentários