Veja sentença Caso Bruno Ernesto: RC falta audiência, juiz extingue ação contra Manuel Jr que reage: 'Eu ia repetir tudo perante o juiz'

Blog do Helder Moura Algo curioso ocorreu, última terça (dia 12), no 2º Juizado Especial Civil de João Pessoa. O governador Ricardo C...

Blog do Helder Moura

Algo curioso ocorreu, última terça (dia 12), no 2º Juizado Especial Civil de João Pessoa. O governador Ricardo Coutinho, que havia processado o vice-prefeito Manuel Júnior e o jornalista Hélder Moura, simplesmente não compareceu à audiência, e o juiz Adhemar de Paula Leite Ferreira Neto decidiu extinguir a ação. Manuel Jr reagiu, afirmando: “Se tivesse ocorrido a audiência, eu ia repetir tudo perante o juiz.”

Essa ação foi movida, após o governador acusar Manuel Júnior de ter participação no crime de Manuel Matos. Na sequência, o vice-prefeito, não apenas negou qualquer relação com o crime, com ainda desafiou o governador a apresentar as provas de sua acusação, além de devolver o ataque, dizendo que Ricardo Coutinho é que tinha o CPF associado ao crime de Bruno Ernesto.

O governador, então, anunciou o processo contra o vice-prefeito e, de quebra, também contra o jornalista Hélder Moura, por ter divulgado as declarações de Manuel Júnior. A primeira audiência estava marcada para a terça-feira, mas RC não compareceu. Ele alegou que, devido à sua agenda como governador, estava impossibilitado de participar da sessão no 2º Juizado Especial, e pedia adiamento.

O magistrado entendeu, no entanto, que a alegação do governador não justificaria sua ausência e, então, determinou a extinção da ação. “A ausência ao autor à presente sessão é injustificada”, assinalou.

Já o vice-prefeito Manuel Júnior lamentou a ausência do governador, porque, segundo ele, estaria “disposto a manter, perante o juiz, tudo que havia afirmado antes, sem tirar uma vírgula, ou seja, que o governador tem CPF ligado ao crime do jovem Bruno Ernesto”.

Crime – Bruno, como se sabe, que foi assassinado, em fevereiro de 2012, e segundo a Polícia, foi crime de latrocínio. Mas, a família de Bruno está convencida de ter se tratado de “uma execução”, conforme sua mãe, Inês Morais Ernesto, e também porque a arma e as munições usadas tinham sido adquiridas pelo Governo do Estado.

CONFIRA O DESPACHO DO JUIZ…

***

#Política 

Você pode gostar também

0 comentários