José Maranhão diz que sua pré-candidatura na Paraíba deve fortalecer a de Meirelles a presidente

Senador acredita que Temer agiu sabiamente ao desistir da reeleição, porque no seu entendimento ele tem que se dedicar a concluir o seu g...

Senador acredita que Temer agiu sabiamente ao desistir da reeleição, porque no seu entendimento ele tem que se dedicar a concluir o seu governo (Foto: Walla Santos)
Click PB
O senador José Maranhão, participou nesta terça-feira (22) de reunião do MDB em que Michel Temer anunciou que não será candidato à reeleição e o nome de Henrique Meirelles foi lançado como pré-candidato pelo partido. Maranhão disse que sua pré-candidatura a governador da Paraíba vai fortalecer a candidatura de Henrique Meirelles.
“Eu acho que as campanhas são estanques. Eu acho que a minha pré-candidatura vai fortalecer a de Meirelles, porque eu estou na frente de todas as pesquisas, sem modéstia, então eu acho que a minha pré-candidatura poderá fortalecer a de Meirelles, mas está muito cedo para a gente dizer se haverá essa comunicação de popularidade, de índice de aprovação ou não”, opinou José Maranhão.
Para Maranhão, Temer agiu sabiamente ao desistir da reeleição, porque no seu entendimento ele tem que se dedicar a concluir o seu governo.
Maranhão disse que Henrique Meirelles é “um nome que encontra o mais amplo respaldo em toda a base do partido pelo seu valor como homem público, como gestor, e um profundo conhecedor da economia brasileira”. Maranhão lembrou que Meirelles é responsável pelo êxito dos projetos e das reformas feitas pelo governo de Temer.
O senador afirmou que Meirelles foi o responsável por tirar o Brasil de um regime de inflação que ameaçava a economia nacional. Quando à polêmica envolvendo as altas dos preços dos combustíveis, Maranhão disse que as razões desses aumentos sucessivos precisam ser apuradas.
Na avaliação de José Maranhão, as taxas de conversão do dólar e a tributação do ICMS têm contribuído para os aumentos nos preços dos combustíveis. Ele defende uma política diferenciada para o setor.
***
#Política

Você pode gostar também

0 comentários