Redução do preço do diesel não chega às bombas e combustível supera faixa dos R$ 4 na Paraíba

Click PB Apesar da sinalização do Governo Federal para que o preço do diesel seja reduzido R$ 0,46 nas bombas, ainda não há previsão de...

Click PB
Apesar da sinalização do Governo Federal para que o preço do diesel seja reduzido R$ 0,46 nas bombas, ainda não há previsão de quando o reajuste deve chegar aos postos de combustível na Paraíba. Nesta terça-feira (29), o Senado aprovou um Projeto de Lei zerando até o final do ano a cobrança de PIS/Cofins sobre o óleo diesel.
Na Região Metropolitana de João Pessoa, o preço do diesel é encontrado a preços variados que giram em torno de R$ 3,89 e chegam inclusive a superar os R$ 4. Antes do movimento grevista, de acordo com pesquisa do Procon-JP realizada no dia 22 de maio, o menor preço do diesel encontrado foi R$ 3,499.
De acordo com Omar Hamad, presidente do Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo do Estado da Paraíba (Sindipetro-PB), os postos ainda estão esperando a diminuição do preço nas distribuidoras.
“Estou tentando ver com as distribuidoras como de fato vai ser aplicado. Assim que for aplicado, o posto repassa. Não tem problema com isso”, explicou Omar Hamad destacando ainda que a redução de R$ 0,46 ainda não chegou. Ele sustentou ainda que “a orientação já foi passada. Assim que chega o preço nas distribuidoras, que seja repassado para as bombas”.
No momento a indefinição sobre a forma como será aplicada a redução de preços ainda está presente para os donos de postos de combustível. “Está todo mundo aguardando ver como fica para poder ter uma reunião. Essa colocação já foi passada tanto pro Ministério Público como pro Procon. A gente também quer saber como de fato isso vai acontecer”, ressaltou o presidente do Sindipetro.
A diminuição do preço do diesel era uma das principais reivindicações da greve dos caminhoneiros, que foi deflagrada no dia 21 de maio. A categoria paralisou a prestação de serviços e chegou a bloquear algumas rodovias como forma de protesto.
*** 
#Sociedade

Você pode gostar também

0 comentários