Luto na imprensa da PB: Ícone do rádio paraibano 'sai de cena' após 52 anos no ar

...eu, ainda adolescente, já o ouvia pelo rádio através da Tabajara AM. Mas o conheci, pessoalmente, numa alegre manhã de sábado nos est...


...eu, ainda adolescente, já o ouvia pelo rádio através da Tabajara AM. Mas o conheci, pessoalmente, numa alegre manhã de sábado nos estúdios da Rádio Guarabira FM (Correio Sat), onde trabalho e onde ele, por um tempo, passara a apresentar também o seu famoso “Big Show do Bolinha”, quarto programa radiofônico mais antigo do país (47 anos), pelo qual recebeu várias comendas ao longo dos seus 52 anos de atividades no rádio. Dali por diante, me tornei amigo e tive a oportunidade de conhecer o Airton José mais de perto, como pessoa e como profissional da voz. Eis, portanto, o que me fez madrugar nesta segunda-feira (09) para expressar um pouco sobre este ícone do rádio paraibano, após tomar ciência de sua partida...

Acredito que Bolinha viveu intensamente. Como autodidata, aprendeu a ler, aproveitou oportunidades e, inspirado no locutor Paulo Rosendo, fez de tudo no rádio com sua voz autêntica e inconfundível. Voz que promoveu marcas e também foi consagrada por elas. Voz, inesquecível, que narrou momentos históricos e dividiu microfones com grandes nomes da radiodifusão paraibana. Bolinha tinha a humildade de aprender e prazer em ensinar. Como radialista, deu oportunidade a muita gente. Viveu a época de ouro do rádio. E com sua alegria contagiante e sinceridade, o que ele certamente mais fez foi amizades - tinha amigos por todas as partes: consequência de sua lealdade e forma como tratava as pessoas.


Bolinha sendo homenageado, ladeado pelos filhos
Pausa para respirar... Confesso que este é um texto pesado...

O Airton José sempre foi um defensor do rádio sério (no sentido de diferenciar os segmentos, por exemplo) e de um texto bem escrito. Não foi a toa que ele gravou testemunhais para quase todos os governos da Paraíba. Também gravava para empresas até pouco tempo. A voz do “Big Show” discordava, moderadamente, do atual modelo de rádio. E ainda usava script em seus programas. E com razão! Durante sua vida no plano terrestre, sobretudo em estúdio, ele se orgulhava de nunca ter ‘puxado o tapete’ de colegas – como gente invejosa e incompetente costuma fazer por ai, infelizmente... Embora famoso, Bolinha era simples, acessível e brincalhão. Um homem do povo. Agora, não mais... Ele acaba de deixar essa vida para entrar para a história. 

Bolinha, no entanto, não morreu. Ele acreditava que todos têm um ‘prazo de validade’, por isso falava que, quando este prazo expirasse, ele, apenas, sairia de cena. Fez muita coisa nessa vida, mas ainda tinha fôlego, disposição e lucidez para fazer mais por si, sua família e por seus amigos. Combateu o bom combate – chegou até a driblar a censura em fato envolvendo Genival Lacerda -, encerrou a carreira ainda em atividade no rádio - como ele queria - e ciente de que era amado e querido. Não perdeu a simpatia, o bom humor e a fé. Não há como falar sobre a história do rádio brasileiro sem citar o “Big Show do Bolinha” e colocar Airton José como um dos titulares da comunicação paraibana. O Big Show sai do ar, mas o seu legado permanece.

Natural de João Pessoa, o radialista e jornalista Airton José da Silva, o Bolinha, saiu de cena na madrugada desta segunda, aos 70 anos, após 52 anos de rádio. Ele deixa esposa, filhos, netos, uma bisneta e ‘um milhão de amigos’. O rádio paraibano está de luto. Meus sentimentos à família...

Quanta alegria você passou através da sua voz nas manhãs de sábado pela Guarabira FM... Vou sentir saudade dos abraços fortes e do “Ikedinha”, como ele costumava me chamar. Foi um enorme prazer conhecê-lo, Bolinha. Você jamais será esquecido. Sua alegria e o seu sorriso permanecerão em minha memória. Descanse em paz, amigo... 

Meu programa de hoje é dedicado a você.


O velório ocorre na Central de Velórios Rosa de Saron, em Jaguaribe. E o sepultamento, às 10h desta terça-feira (10) no cemitério da Penha, em João Pessoa, conforme seu desejo. #SintoniaFina #Luto

Você pode gostar também

0 comentários