Romero aciona governador na Justiça por insinuação no Caso PB1: “Envergonha a Paraíba”

Blog do Helder Moura O prefeito Romero Rodrigues rebateu, através de nota, insinuações do governador Ricardo Coutinho que, após o episó...

Blog do Helder Moura
O prefeito Romero Rodrigues rebateu, através de nota, insinuações do governador Ricardo Coutinho que, após o episódio de invasão do PB1, “tratou o vexame da forma mais sórdida, até mesmo para os padrões girassóis: procurou fazer uma conexão do episódio a um detento que, eventualmente, exercia um cargo na Prefeitura de Campina Grande e foi sumariamente demitido logo após os primeiros indícios de má conduta”.
Segundo Romero, “o governador Ricardo Coutinho estabeleceu um padrão que envergonha os paraibanos por nivelar por baixo o que ele tem batizado de “nova política”: dissimulado, ele não assume os erros, problemas e limitações de sua gestão”. Como se sabe, o governo tentou associar transformar a invasão numa conspiração de um ex-funcionário da prefeitura de Campina.
CONFIRA A ÍNTEGRA DA NOTA…
Uma das melhores maneiras de se conhecer o verdadeiro caráter de um governante é quando eclodem as crises. Na Paraíba, lamentavelmente, há tempos o governador Ricardo Coutinho (PSB) estabeleceu um padrão que envergonha os paraibanos por nivelar por baixo o que ele tem batizado de “nova política”: dissimulado, ele não assume os erros, problemas e limitações de sua gestão. Prefere, invariavelmente, transferir para terceiros as responsabilidades pelos próprios fracassos.
Nesta segunda-feira, 10, Ricardo Coutinho se superou na arte do cinismo. Não tendo como justificar a escandalosa fuga em massa de 105 detentos da Penitenciária de Segurança Máxima Romeu Gonçalves Abrantes, o PB1, de João Pessoa, na noite deste domingo (9), o governador, através de sua rede oficial de mídia, tratou o vexame da forma mais sórdida, até mesmo para os padrões girassóis: procurou fazer uma conexão do episódio a um detento que, eventualmente, exercia um cargo na Prefeitura de Campina Grande e foi sumariamente demitido logo após os primeiros indícios de má conduta.
Na verdade, ao assumir essa linha de discurso, o governador que, durante praticamente oito anos gastou uma fábula em publicidade e jamais deu respostas efetivas aos problemas de segurança, derrubou a própria máscara. Aproveitar-se de mais uma das muitas tragédias do seu governo para armar um tosco ataque político a adversários, em pleno período eleitoral, é o fundo do poço para quem nunca prezou pela dignidade no exercício do cargo ou nas relações institucionais.
A vergonha nacional a que a Paraíba se expôs, mais uma vez, com a fuga em massa do Presídio PB1, resume bem as fragilidades de um sistema administrativo falido em seus objetivos. Pior: com sua exposição de motivos embusteira e nada convincente, Ricardo Coutinho não só evidencia sua real dimensão diante das crises, principalmente por parte de quem prometeu, durante campanha, resolver o problema da insegurança em seis meses, em 2010.
Até hoje, a Paraíba paga caro por acreditar em quem sempre prefere acobertar os próprios erros fugindo das responsabilidades.
Não ficarei indiferente a mais esse novo ataque do governador Ricardo Coutinho à minha honra e à minha imagem. Ainda nesta terça-feira, 11, ingressarei na Justiça contra ele, na certeza de que, mais cedo ou mais tarde, ele enfrentará as consequências de suas incontinências verbais – o mais vil recurso dos covardes e incompetentes.
A mesma providência é extensiva ao secretário executivo de Comunicação e jornalista Tião Lucena e a todos os sites e blogs que compartilharem e difundirem esse tipo de subinformação gerada por quem tanto se jacta de ser um republicano.

Você pode gostar também

0 comentários