Ciro Gomes diz em vídeo que não vai 'tomar lado' no 2º turno por 'razão prática'

O Globo Em um vídeo nas redes sociais, o candidato derrotado à Presidência  Ciro Gomes  (PDT), de volta ao Brasil após viagem à Europa...

Ciro Gomes (PDT) pede voto contra a intolerância em transmissão ao vivo no Facebook Foto: Reprodução/Facebook
O Globo

Em um vídeo nas redes sociais, o candidato derrotado à Presidência Ciro Gomes (PDT), de volta ao Brasil após viagem à Europa, não declarou apoio aFernando Haddad (PT), como parte da militância de esquerda esperava, e disse que vai "preservar um caminho" para que os brasileiros possam ter uma "alternativa". O pedetista reconheceu que "todo mundo preferia" que ele "tomasse um lado e participasse da campanha", mas ressaltou que não o faria.

"Claro que todo mundo preferia que eu, com meu estilo, tomasse um lado e participasse da campanha, mas eu não quero fazer isso por uma razão muito prática que eu não quero dizer agora. Porque, se eu não posso ajudar, atrapalhar é que eu não quero", destacou.

A candidatura de Ciro à Presidência sofreu um forte baque quando o PT decidiu retirar a pré-candidatura de Marília Arraes ao governo de Pernambuco para evitar que o PSB fechasse uma aliança nacional com o PDT. Com a saída dela, o governador Paulo Câmara (PSB), que conseguiu a reeleição, ficou com o caminho aberto. A articulação foi comandada pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, preso na Superintendência da Polícia Federal em Curitiba. Na noite de sexta-feira, o clima entre os apoiadores de Ciro que o aguardavam no aeroporto era de campanha para uma nova disputa pelo Planalto daqui a quatro anos.

Logo depois de ter confirmada a derrota no primeiro turno, Ciro Gomes foi questionado sobre a disputa final entre Fernando Haddad e Jair Bolsonaro (PSL). Na ocasião, ele sinalizou oposição do militar: " Ele não, sem dúvida ". Enquanto ainda concorria, o próprio Ciro chegou a dizer que votaria no ex-prefeito de São Paulo caso o petista fosse para o segundo turno em vez dele. O pedetista viajou para a Europa e frustrou a intenção do PT de tê-lo ao seu lado na campanha.

No vídeo deste sábado, o candidato recomendou o voto pela democracia e contra a intolerância. Segundo ele, o Brasil precisa, a partir de segunda-feira, construir "um grande movimento" para proteger o regime democrático e a sociedade mais pobre "dos avanços contra os direitos" e os interesses nacionais "contra a cobiça estrangeira".

"Quero que Deus abençoe essa grande nação para que todo mundo possa caminhar amanhã a votar compreendendo a necessidade de votar com a democracia, votar contra a intolerância, votar pelo pluralismo, mas ninguém está obrigado a votar contra convicções e ideologias", disse.

De volta ao Brasil nesta sexta-feira após viagem à Europa durante todo o segundo turno das eleições, Ciro foi recebido por uma multidão no Aeroporto Internacional Pinto Martins, em Fortaleza. Ele passou pelos militantes sem dar declarações a imprensa, e ao ser indagado se iria gravar ou não um vídeo em apoio a Fernando Haddad (PT), o pedetista ficou calado.

Enquanto isso, o presidente nacional do PDT, Carlos Lupi, que já havia declarado apoio crítico do partido ao PT, disse que a cúpula do partido iria se reunir neste sábado para discutir como seria esse apoio à sigla na reta final de campanha.

Questionado sobre se existia tempo para uma articulação e virada petista, Lupi afirmou: "Na vida  existe tempo para tudo, só não tem tempo para morrer". Ele não informou quem estará nessa reunião e disse que tem falado todos os dias com Ciro Gomes.





***
#Política

Você pode gostar também

0 comentários