Percinaldo Toscano deixa Secult de Guarabira. Ao convidar alguém de fora para o cargo, ZT ignora qualificação local e trata classe artística com o desprezo que lhe é peculiar

Percinaldo Toscano (Foto: da internet) Recomenda-se conhecer de perto um problema para poder falar dele com mais propriedade. É quas...

Resultado de imagem para percinaldo
Percinaldo Toscano (Foto: da internet)
Recomenda-se conhecer de perto um problema para poder falar dele com mais propriedade. É quase uma regra, certo? Portanto, para comentar sobre a política de Cultura da Prefeitura de Guarabira em favor da classe artística, na gestão do prefeito Zenóbio Toscano (PSDB), é preciso viver no município para concluir que não há incentivos à produção cultural local. O que há, de fato, são ações pontuais. E nada mais. Eis o problema.

Se com um Toscano à frente da Secretaria de Cultura a situação era difícil, imagine agora que a pasta tem um secretário de fora: o conceituado teatrólogo e jornalista Tarcísio Pereira, de João Pessoa, assume a secretaria. Nada contra ele, adianto. O professor Percinaldo Toscano, cidadão criativo e bem relacionado, teve que optar entre um cargo efetivo na UEPB e a função temporária na PMG, conforme matéria do colega jornalista Antônio Santos.

Eu observo que Percinaldo Toscano tentou fazer mais pela cultura, mas fez pouco diante daquilo que propunha, acredito – justamente pela falta da devida autonomia que não lhe fora atribuída pelo chefe do Executivo municipal. Também achei desnecessário buscar alguém de fora para assumir a função antes ocupada por ele. Na cidade há gente capaz e com boas ideias para tal: Marisa Alverga, Vicente Barbosa e Zé Paulo Ribeiro, por exemplo – só para citar três.

Aprouve ao prefeito ZT, no entanto, convidar o mestre Tarcísio Pereira para o cargo. Torço para que ele faça um bom trabalho em Guarabira. Se tiver autonomia, certamente fará. Com ele, tudo pode ser diferente. Tomara meu Deus, tomara! Ou ele convence o gestor a investir e a lhe dar liberdade para trabalhar ou vai ser mais um a constatar o desinteresse de Zenóbio pelo universo cultural – embora eu considere o prefeito um homem culto e instruído.

Como gestor de cultura, TP precisa saber que a cidade tem bons músicos, poetas, escritores, artesãos, atores, cordelistas, artistas plásticos, e por ai vai... Contudo, esses mesmos artistas não têm incentivo e apoio nenhum do poder público – registre-se: nem do município e nem do Estado. E isso não é de hoje. Faltam editais, por exemplo, para coletâneas poéticas, para gravação de singles e CDs, eventos musicais, peças teatrais, exposições...

O Tarcísio tem um desafio pela frente: mudar essa realidade. Se fosse outro guarabirense no cargo, o desafio seria o mesmo. E será - até isso mudar. Espero que mude. O governo de ZT recuperou e reabriu vários prédios públicos, reconheço. Temos espaços únicos como o Museu do Cordel, o Museu Sacro, a Casa da Cultura – ainda pela metade, conforme o que fora proposto – e o Centro de Documentação... Mas falta muito. E falta atrair a população.

Atrair a população pela produção artística local. E fazer com que os produtores de arte consigam tornar público o seu produto e que ele seja, de alguma forma, sustentável. Há gente boa querendo cantar, mas não tem espaço e nem quem pague pelo espetáculo. O mesmo ocorre nas mais diversas manifestações culturais. É preciso mudar essa realidade – pelo menos um pouquinho. Eu acredito que é possível. Basta querer. Verba eu sei que tem.

O Pereira também precisa saber: o ‘Quinta tem Talento’ – projeto que garantia ‘uma renda’ para músicos, realizado toda quinta-feira, no centro; depois a cada 15 dias nos bairros, acabou. O projeto ‘Vamos ao Teatro’, não vingou. Ainda ocorrem exposições plásticas – algumas já muito repetitivas. Uma das últimas ações pontuais – senão a última, de fato -, foi a pintura de muros e pontes com ilustrações de artistas plásticos de Guarabira. E só.

É preciso planejar e fazer esses projetos voltarem a acontecer ou criar opções semelhantes - considerando as manifestações artísticas locais. Só assim a gente pode mudar o conceito de momento que se tem do prefeito Zenóbio neste sentido: que ao convidar alguém de fora para a Secult, ele ignora a qualificação local e trata a classe artística com o desprezo que lhe é peculiar. 

Obrigado, Percinaldo – pelo esforço e contribuição! Boa sorte, mestre Tarcísio! O senhor vai precisar. #Cultura #Opinião

Você pode gostar também

1 comentários

  1. Agradeço você por lembrar meu nome, Ikeda, porém asseguro que jamais serei secretário da P Mun. Guarabira, e muito menos exercerei cargo político

    ResponderExcluir