Abatido, Lula tem escassez de visitas em Curitiba pós-eleição

Lula está preso desde abril Foto: MIGUEL SCHINCARIOL / AFP  Por Bela Megale, O Globo Depois da derrota do  PT  na eleição presidencia...

Lula está preso desde abril Foto: MIGUEL SCHINCARIOL / AFP 

Por Bela Megale, O Globo

Depois da derrota do PT na eleição presidencial, a romaria de visitas ilustres que tomavam a agenda do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva , preso em Curitiba desde abril, não é mais a mesma. Antes tomadas pelo comparecimento de personalidades como o ator americano Danny Glover, o filósofo Noam Chomsky e o ex-presidente do Uruguai Pepe Mujica, as quintas-feiras — dia mais movimentado por ser a ocasião em que ele recebe amigos e familiares com autorização da Justiça — hoje se restringem a encontros com lideranças petistas ou pessoas próximas ao seu partido.

Na última quinta-feira, dia 6, Lula recebeu o presidente do Instituto Lula, Paulo Okamotto, o deputado federal Arlindo Chinaglia (PT-SP) e o fundador do partido espanhol Podemos Juan Monedero. Policiais relatam que Monedero quebrou um jejum de dois meses de visitas internacionais. Após a derrota do ex-prefeito Fernando Haddad para o presidente eleito Jair Bolsonaro, houve um “sumiço dos famosos” .

Duas pessoas que estiveram com Lula nas últimas semanas disseram à reportagem que o ex-presidente nunca se mostrou tão abatido e desanimado. Responsáveis pela agenda de Lula colocaram a culpa da escassez de visitas nas confraternizações do final de ano. Afirmam ainda que há uma lista de 50 nomes na fila para ver o ex-presidente. A maioria é formada por políticos, intelectuais e sindicalistas ligados ao PT.

As visitas de líderes religiosos que eram realizadas às segundas também minguaram.

— Ele recebeu tudo quanto é liderança, agora esgotou — justificou um interlocutor.

Apesar disso, o PT está se organizando para dar novo fôlego à bandeira “Lula Livre”. Na última segunda, Haddad foi a Curitiba para articular com o petista a organização de comitês que atuarão pelo Brasil pregando a sua liberdade, além de uma agenda internacional em defesa do petista.

O partido também pretende manter ativa a militância, que segue com o acampamento em frente à PF. Todos os dias, os cerca de dez militantes no local dão bom dia aos gritos para que Lula os ouça. Para o Natal e Réveillon, o grupo prepara uma programação especial com ceia e convites para que catadores de rua participem do evento. Políticos como o ex-prefeito de São Bernardo do Campo (SP) Luiz Marinho (PT) se comprometeram em comparecer.

***
#Política

Você pode gostar também

0 comentários